segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Testimonial from a Billionaire

Testimonial from a Billionaire?

I’ve seen internet marketers boasting testimonials from real millionaires.

But this lucky internet marketer got a testimonial from a…

BILLIONAIRE.

This has to be seen to really be believed:

He has also spoken to audiences in 11 countries as an internet marketing authority and has authored several books.

In one of his books, he co-authored it with the brilliant â€" Robert G.Allen, the New York Times best-selling author.

… And the best part about it? He’s going to share his secrets to help make a passive income online with you, right NOW!

 

 


P.S. The fact is, he is so pissed off with all the “noises” out there.

Sometimes, you don’t even know who’s real and who isn’t. That's why, he has decided to let you clone his exact system to make a passive income online.

Here’s the link again:


http://clipartonline.info/best1000/cbpassive.htm

 

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

Você não precisa de um tênis especial para o seu tipo de pisada


Por Raquel Castanharo

A idéia geral era: corredor com pisada pronada precisa de um tênis para controle da pronação, com a pisada supinada um tênis para supinação, e os outros podem usar um tênis neutro mesmo. Até que em 2008 um grupo de cientistas começou a se questionar de onde tinha vindo essa história. Em que dados científicos as pessoas estavam se baseando para prescrever tênis de acordo com o tipo de pisada? E eles descobriram que até aquele ano não havia NENHUMA evidência científica de que um tênis específico traria algum benefício para os corredores. Não havia nenhum estudo que provasse tal teoria. Nada.
Após 2008 pelo menos três grandes pesquisas tentaram preencher essa lacuna e solucionar essa dúvida sobre tênis. Todas mostraram que um tênis específico para o tipo de pisada não diminuiu as lesões nos corredores. 

Então minha sugestão sobre tênis é simples: use um modelo que você ache confortável. O tênis é apenas um acessório. Não é ele que irá te proteger de lesões ou melhor sua performance. Para isso você deve cuidar de sua biomecânica da corrida e volume de treinamento 
Nesse vídeo eu explico as características de cada tipo de pisada e como elas influenciam em sua vida de corredor:



Pesquisas científicas citadas:
- Is your prescription of distance running shoes evidence based? British Journal of Sports and Medicine, 2008.

- The effect of three different levels of footwear stability on pain outcomes in women runners: a randomised control trial. British Journal of Sports and Medicine, 2009.

- Foot pronation is not associated with increasedinjury risk in novice runners wearing a neutral shoe:a 1-year prospective cohort study. British Journal of Sports and Medicine, 2013.

Feliz dia do esportista!



Parabéns para todos nós praticantes de algum esporte!

A data tem o objetivo de incentivar, conscientizar e homenagear a pratica do esporte, como meio para o desenvolvimento de uma vida muito mais saudável.
O exercício físico atrelado com uma dieta saudável é recomendado por todos os especialistas em saúde para manter uma boa qualidade de vida.
Aprender a trabalhar em equipe, concentração, paciência, cooperativismo e fortalecimento muscular são algumas das várias vantagens que a pratica do esporte garante para o ser humano, seja fisicamente ou mentalmente.

Origem do Dia do Esportista

O Dia do Esportista, originalmente, foi criado a partir da Lei nº 8.672, de 6 de Julho de 1993, conhecida como "Lei Zico". No artigo 54 constava que o dia 19 de fevereiro seria destinado como Dia do Esportista.
Lei nº 9.615, de 24 de março de 1998, conhecida popularmente por "Lei Pelé" ou "Lei do passe livre", revogou a Lei Zico, estabelecendo o dia 23 de junho como o Dia do Desporto, mesma data do Dia Mundial do Desporto Olímpico. No entanto, a população mantém a antiga data ainda hoje como o dia para comemorar a pratica do esportismo no Brasil.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

Na corrida o melhor é pisar com a ponta dos pés ou com o calcanhar?


Há algum tempo existe o debate em torno do tema, pois muitos treinadores asseguravam que o modo "correto" de pisar era com o calcanhar e não admitiam hipótese contrária. O tempo passou e eis que, para surpresa de muitos incrédulos, o assunto da moda no mundo da corrida é: qual o melhor tipo de calçado esportivo? Com ou sem amortecedor traseiro?

Isto porque, atualmente, discute-se o modo "natural" de se pisar. E qual é este jeito natural do corredor tocar o solo? Pelos últimos achados científicos, o modo natural durante a corrida é, em primeiro lugar, com o peito dos pés. E por quê? Simples: os músculos que mais atuam durante a corrida são os da parte posterior da perna (popularmente conhecida como panturrilha), ou seja, o sóleo e o gastrocnêmio, independente do tipo de relevo, confirmando a tendência natural do corredor em utilizar a "ponta" dos pés durante o deslocamento.

Apenas isso, entretanto, não era suficiente para convencer a indústria de calçados esportivos para que alterasse suas linhas de produção. Havia necessidade de algo mais: a melhora do rendimento. Assim, ao contrário do que muitos acreditavam (pois que talvez confundam "marcha" com "corrida"), 90% dos melhores corredores do mundo utilizam a "ponta" dos pés para fazer o primeiro contato com o solo e apenas 10% utilizam o calcanhar. Ou seja, mais do que suficiente para confirmar a proposição de que pisar com o calcanhar já não era mais o "modo correto". A modernidade, enfim, chegava até nós.

A partir dessas "descobertas", as grandes empresas transnacionais de calçados esportivos, de olho na novidade, já começam a lançar seus primeiros modelos atualizados, cujo formato não prevê mais aquele amortecedor alto no calcanhar, dentre outros detalhes que possam facilitar e auxiliar uma pisada de ponta do pé mais eficaz que contribua para o rendimento do corredor.

A explicação e justificativa para este novo procedimento técnico, do ponto de vista biomecânico, fundamentam-se em dois pontos:

1) A redução do impacto com o solo (menor incidência de lesões na estrutura do aparelho locomotor), com uma distribuição mais eficiente da força de impacto pela cadeia cinética;

2) A elevação do ritmo de corrida (aproveitamento da força propulsora dos músculos das panturrilhas), pela capacidade elástico-reativa das fibras musculares (ciclo alongamento-encurtamento).

Assim, se o primeiro contato dos pés com o solo, após a fase de vôo (quando os dois pés estão no ar), for realizado com o calcanhar, o impacto gerado sobrecarrega as estruturas do aparelho locomotor (ossos, tendões, ligamentos e músculos), gerando uma tensão física capaz de provocar microtraumas e lesões por repetição excessiva.

Tal gesto motor, além do mais, provoca uma frenagem no movimento com desperdício de energia e perda da força propulsiva e redução da amplitude passada (por volta de 1 cm / 100 m), reduzindo a capacidade de rendimento do corredor. Perder 1 cm / 100 m equivale a 15-20 segundos de aumento no tempo final de uma prova de 10 km, a depender da condição atlética do corredor. Isto pode representar uma derrota ou a perda do recorde pessoal.

Portanto, ao contrário do calcanhar, a ponta do pé impulsiona o corpo para frente, não havendo uma ação de frenagem do movimento e desperdício de energia. Com isso, o corredor tem o benefício do menor custo energético para o nível de intensidade de esforço realizado e menor tensão (do contato com o solo) sobre a estrutura do aparelho locomotor, o que permite uma passada mais econômica, segura e eficiente.

Entretanto, anteriormente a esta tendência atual de calçados esportivos que é denominada de "tênis mínimos", outra novidade já havia despontado no mercado, porém, foi barrada pelas normas da USATF. Trata-se do modelo Spira, cuja virtude, moldada pela tecnologia, é promover uma maior força de impulsão quando o pé toca o solo (com a ponta). Neste modelo, duas molas são colocadas na parte anterior do tênis, proporcionando este impulso extra que, entretanto, é considerado oficialmente como um modo fraudulento de obter vantagem competitiva.

Como escreveu no século XVI o grande poeta português Luiz Vaz de Camões, "mudam-se os tempos, mudam-se as vontades; todo o mundo é composto de mudanças e vemos sempre novas qualidades", interessantes versos que mostram o quanto os seres humanos são capazes de evoluir em conhecimento e sabedoria.

Fica mais uma vez, para registro, a seriedade das informações veiculadas pela CR aos corredores brasileiros, que procura manter uma atualização constante em seu conteúdo teórico e prático.

O que ontem foi verdade, hoje não mais. E a verdade de agora, poderá não ser a realidade de amanhã. E assim caminha a humanidade, ou melhor, assim corre a humanidade em busca de novos desafios no horizonte sem fim!

O Personal Trainer Gilberto Ferreira Lage, de BH, com muitos anos de experiência, acrescenta que tudo é uma questão de adaptação. Os tênis logo  estarão sendo modificados e todos estarão  cientes desta mudança na forma de correr.

Fonte: Revista Contra Relógio dição 205 - OUTUBRO 2010 - MARCELO AUGUSTI.