quinta-feira, 21 de agosto de 2008

Mais vale prevenir do que quebrar: o Cálcio em questão.

Muitas crianças e adolescentes não consomem as doses diárias recomendadas de cálcio, principalmente devido à baixa ingestão de alimentos lácteos, a principal fonte de cálcio da dieta.
Ingestão de cálcio

Além do cálcio, a saúde dos ossos depende da presença de vitamina D, que aumenta a absorção do cálcio. De acordo com os valores recomendados pela Food and Nutrition Board (Institute of Medicine, National Academy Press, 1997) o consumo diário deve ser:

Idade (anos)Cálcio (mg)Vitamina D (IU)
3-8800200
9-171300200
18-501000400
51-701200400
>701200600

É importante realçar que as necessidades de cálcio variam ao longo da vida. A quantidade de osso acumulado durante o crescimento está relacionada com a quantidade de cálcio consumida. Devido à grande taxa de crescimento ósseo durante a infância e a adolescência, as necessidades de cálcio são maiores nestas alturas.

Muitas crianças e adolescentes não consomem as doses diárias recomendadas de cálcio, principalmente devido à baixa ingestão de alimentos lácteos, a principal fonte de cálcio da dieta. Muitas crianças e jovens substituem a ingestão de leite por refrigerantes e sumos, o que contribui para as baixas ingestões de cálcio. As bebidas gaseificadas não só ocupam o lugar do leite como têm compostos que diminuem a absorção e incorporação do cálcio no osso. E como são açucaradas, aumentam o risco de obesidade e da diabetes.

Alimentos ricos em cálcio

Leite e derivadosqueijo, requeijão, iogurte (1 copo de leite ou iogurte tem aproximadamente 300 mg de cálcio)
Vegetaisfolhas verdes
Frutaslaranja, tangerina, morango
Carnessardinha, salmão, carne de vaca e peixe
Legumestodos

É fundamental corrigir hábitos alimentares, estimulando a ingestão de leite e derivados na infância. Tente beber leite branco e estimular os seus filhos a fazê-lo. É uma questão de hábito.

Exercício físico
Se não é activo na infância e adolescência não formará um bom pico de massa óssea, porque não estimula essa actividade no organismo.

Assim como os músculos, os ossos tornam-se mais fortes com as actividades físicas. Os melhores exercícios para os ossos são os exercícios de sustentação do peso. Esses exercícios incluem a caminhada, corrida, subir degraus, musculação e dança.

Deixar de fumar
Os fumadores absorvem menos o cálcio dos alimentos que os não fumadores. Deixe de fumar. Estará a ajudar-se a si e ao seu filho.

Ingestão de álcool
O consumo regular de álcool é também prejudicial para o esqueleto. Além disso, as pessoas que consomem grandes quantidades de álcool são mais propensas a ter perda óssea e fracturas.

A epidemia silenciosa que é a osteoporose pode ser revertida se as estratégias de combate forem repensadas: mais vale prevenir do que remediar!

As perdas ósseas são inevitáveis. Apostar no aumento da massa óssea de forma a atingir-se o seu potencial máximo é mais barato e dá melhores resultados que tentar mais tarde diminuir as perdas.

Mais vale prevenir do que quebrar!
Fonte: http://www.educare.pt/educare/Opiniao.Artigo.aspx?contentid=4580A92240072B8CE04400144F16FAAE&channelid=4580A92240072B8CE04400144F16FAAE&schemaid=&opsel=2