domingo, 5 de outubro de 2008

Distúrbios do Sono: apnéia é doença crônica e evolutiva

A apnéia é o distúrbio do sono que mais atinge a população do Estado do Rio de Janeiro. A doença crônica e evolutiva, que causa a suspensão da respiração durante o período de sono, possui alta taxa de mortalidade entre a sociedade. O distúrbio está relacionado com sonolência diurna, má postura, roncos habituais, obesidade, fadiga, perda progressiva da memória, hipertensão, irritabilidade e depressão. A apnéia é causada pelo fechamento anormal da via aérea.
Segundo o neurologista do Hospital Universitário Pedro Ernesto (Hupe), Paulo Luciano Horta Rocha, a doença pode atrapalhar a vida social do paciente, que fica freqüentemente cansado por causa do sono de má qualidade.

Há dois tipos mais comuns de apnéias: central e obstrutiva. A apnéia central acontece quando o cérebro, que controla a respiração, não envia os sinais corretos para os músculos respiratórios. É mais comum em idosos e crianças. A obstrutiva é a apnéia que mais incomoda as pessoas e causa o ronco. Mas um indivíduo pode ter a síndrome e não roncar. Uma pessoa com apnéia, quase sempre, volta a respirar normalmente - explica Paulo Luciano Horta, professor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj).

A apnéia do sono é detectada quando a respiração é interrompida por mais de dez segundos. Os números são considerados anormais quando o indivíduo tem mais de cinco apnéias por hora ou trinta por noite. O diagnóstico da doença é feito através da polissonografia, exame que avalia o sono e suas variáveis fisiológicas. O tratamento para apnéias moderadas e graves é realizado através do equipamento CPAP (pressão positiva contínua na via aérea), que gera e emite fluxo de ar.

Para prevenir a síndrome da apnéia do sono é necessário realizar atividades físicas, como caminhada e natação, para diminuir o peso e aumentar a caixa torácica. Mas pessoas que nascem com problemas físicos na região da respiração terão a doença de qualquer jeito - afirma.

Aprenda a dormir bem: 
- Durma pelo menos seis horas; 
- Evite tomar café ou bebidas alcoólicas, no mínimo quatro horas antes de dormir; 
- Não durma de costas; 
- Evite refeições pesadas; 
- Não realize atividades físicas antes de dormir; 
- Mantenha um horário relativamente constante para dormir e acordar.

Fonte: http://www.educacaofisica.com.br/noticias_mostrar.asp?id=4928&utm_source=boletim_eletronico&utm_medium=Edicao-182&utm_campaign=Noticias