sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

Doce prevenção: Chocolate quente junta-se ao vinho tinto e aos chás verde e preto na lista das bebidas benéficas


Nos últimos anos, os pesquisadores vêm dedicando uma atenção especial ao chocolate. Vários estudos científicos já demonstraram que o produto faz bem à saúde, pelo fato de conter substâncias antioxidantes que ajudam a prevenir uma série de doenças – de distúrbios cardiovasculares a determinados tipos de câncer. Nenhuma pesquisa, no entanto, havia medido a quantidade desses compostos. A primeira a fazer essa análise acaba de ser publicada na revista da Sociedade Americana de Química. Uma equipe de bioquímicos da Universidade Cornell, nos Estados Unidos, verificou que chocolate quente, feito diretamente a partir do pó de cacau, tem uma concentração muito maior de antioxidantes que o vinho tinto e os chás verde e preto, bebidas que, desde a década de 80, são consideradas benéficas.

Os compostos antioxidantes são substâncias que combatem os radicais livres, as moléculas tóxicas que comprometem o bom funcionamento do corpo. Eles evitam, entre outros problemas, o depósito de placas de gordura nas artérias, uma das causas do infarto. Também impedem que ocorram alterações no DNA das células, o primeiro passo para o desenvolvimento de um câncer. Enfim, os poderes terapêuticos dos antioxidantes são vastos. Por isso despertam tanto o interesse da ciência. Os pesquisadores de Cornell verificaram que a concentração de flavonóides e polifenóis (dois desses compostos) em uma xícara de chocolate quente é o dobro da existente numa taça de vinho, o triplo da encontrada numa xícara de chá verde e até cinco vezes maior que a presente numa xícara de chá preto. O chocolate quente é mais poderoso que a bebida fria e o chocolate em barra porque, no caso do cacau, a liberação de antioxidantes é maior sob altas temperaturas.

A próxima etapa dos estudos é testar quais são exatamente os efeitos da bebida no organismo. "Só assim será possível estipular a quantidade e a freqüência com que deve ser consumida", diz Mariana Del Bosco, nutricionista da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade. Ainda que os trabalhos não estejam concluídos, é certo que o consumo de chocolate quente deve ser moderado. Afinal de contas, não importa se quente ou frio, líquido ou sólido, chocolate é feito de gordura e açúcar, dois vilões capazes de derrotar qualquer antioxidante.

Por Paula Neiva

Fonte: http://veja.abril.com.br/171203/p_114.html