terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Vigorexia: A doença inimiga dos homens

Todo homem deseja ter um corpo em forma e sarado, mas essa obsessão pode se tornar uma doença, a vigorexia

Um corpo bem torneado, cheio de músculos para impressionar as mulheres pode camuflar um distúrbio perigoso para a saúde. A vigorexia, ou overtraining (como é conhecida em inglês), é a compulsão por prática de exercícios de forma exagerada e contínua, sem intervalo de tempo para que a pessoa recupere o seu organismo. Ou seja, por dentro de um corpo bem desenhado, existe um transtorno emocional.

Sinais de que algo está errado

Mais comum entre os homens, a vigorexia é uma distorção do que é um ideal de corpo, quando o tamanho dos seus músculos nunca está perto do ideal e a atividade física se torna uma obsessão. E essa compulsão que começa nas academias com pessoas que já tem uma pré-disposição a apresentar o distúrbio, cresce quando ela começa a exagerar nas horas nos aparelhos de ginástica ou faz uso de anabolizantes.

"Eu passava horas na academia e nunca ficava satisfeito com meu corpo. Me achava sempre mirradinho, magrinho demais. Foi um problema no fígado que me fez ir ao médico e descobrir que sofria de vigorexia", comenta o professor Altair de Medeiros Tavares, 30 anos.

Moisés de Miranda, 32, também sofreu com o mal. Durante cinco anos, privou-se do convívio familiar e dos amigos na sua busca incessante pelo corpo ideal, que chamasse a atenção de homens e mulheres.

"Eu não queria ser bonito só para as meninas, mas queria que todos me olhassem. Como comecei a exagerar no tempo na academia e acabava perdendo até a hora do trabalho, minha mãe começou a ficar preocupada e me levou ao médico", lembra-se. Com o acompanhamento médico e psiquiátrico, percebeu que não precisava de tanto tempo puxando ferro para estar em forma. "Hoje, consigo dosar na malhação".

O diagnóstico

As pessoas que sofrem do distúrbio relacionado aos excessos de vaidade e culto ao corpo demoram para notar que passam pelo problema. Geralmente, vão ao médico tratar de alguma outra coisa, como um problema no fígado ou uma lesão que nunca se cura, e então descobrem a vigorexia.

"Existe uma dificuldade em se diagnosticar a vigorexia porque é uma área cinzenta que separa o que é apenas melhorar a aparência do que é exacerbado", explica Antonio Cláudio Lucas da Nóbrega, médico do esporte da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte (SBME).

"Poderíamos fazer uma analogia com a anorexia, pois é um distúrbio na base psico-emocional do indivíduo". Ele diz que, na anorexia, a pessoa acha que está sempre gorda e acaba parando de comer, provoca vômitos para emagrecer e, como é algo equivocado, acaba comprometendo a saúde. "Ambas são consideradas um TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo)".

As causas

As causas da vigorexia ainda são desconhecidas. Mas os problemas que o transtorno pode acarretar são bem conhecidos. Além das dificuldades de relacionamentos com as pessoas, o indivíduo que sofre desse distúrbio passa a dormir mal, corre o risco de ter lesões repetidas e com dificuldades para se recuperar e problemas de alteração sexual, no caso de uso de anabolizantes. Nas mulheres, apesar de menos comum, também ocorre. E, como neles, afeta a saúde.

Para quem quer esbanjar saúde, mas sem exageros, a dica do especialista Antonio Cláudio é que a pessoa procure um médico antes de iniciar uma atividade física. E não esquecer de que há vida fora das academias de ginásticas.

"É preciso ter equilíbrio. Quando se busca benefícios para a vida, é fundamental ficar bem com o corpo e com a cultura, com os amigos. A pessoa deve começar a atividade física progressivamente para provocar os melhores efeitos possíveis e ter a ajuda de um profissional", encerra ele. 

Fonte: http://www.educacaofisica.com.br/noticia_mostrar.asp?id=5709&utm_source=boletim_eletronico&utm_medium=Edicao-198&utm_campaign=Noticias