terça-feira, 12 de maio de 2009

Introdução ao Fisiculturismo

O Fisiculturismo, como o conhecemos hoje, originou-se das exibições dos antigos "strongmen" em praças, feiras, circos e teatros, que, além das demonstrações de força hercúlea, se exibiam para audiência executando poses que destacavam sua musculatura extremamente desenvolvida.

A expressão Cultura Física e o termo Fisiculturismo a princípios parecem significar a mesma coisa, mas na visão deste site, Cultura Física tem um sentido mas abrangente e equivale ao que os povos de língua inglesa costumam chamar de "Iron Games". Destes "jogos" também faz parte o "Bodybuilding", ou traduzindo ao pé-da-letra, Construção do Corpo, mas não soa bem na nossa língua, assim preferimos usar o termo Fisiculturismo para esta modalidades da Cultura Física, embora atualmente ela também seja chamada de musculação atlética, expressão difícil de engolir. O fisiculturismo tem como objetivo principal o desenvolvimento muscular e a harmonia física e tem um forte componente estético e artístico, sendo muito comum no meio o uso das expressões "modelar o corpo" e "esculpir o corpo", como um artista faz com um bloco de granito bruto para transformá-lo em uma estátua clássica.

O primeiro grande astro do fisiculturismo foi Eugen Sandow. Além das exibições de força e rotina de poses, ele soube explorar como ninguém este ramo de negócio. Ele criou equipamentos de treinamento, escreveu livros, publicou uma revista de cultura física, abriu a primeira academia e organizou em 1901 a primeira competição de fisiculturismo da história. O troféu desta competição foi uma estatueta do próprio Eugen Sandow. Em homenagem a ele desde 1977 o troféu do título mais cobiçado do fisiculturismo, o Mister Olímpia, é uma réplica em bronze da estatueta usada na primeira competição de fisiculturismo.

A popularização do fisiculturismo começa nos anos 40 em Los Angeles na Califórnia, onde recursos para a prática de exercícios ao ar livre são instalados próximo ao píer da praia de Santa Mônica. Este ponto da cidade ficou muito popular e atraia muitos freqüentadores, tanto praticantes como curiosos e ficou conhecido como "Muscle Beach". Uma da figuras famosas que faziam acrobacias e exibiam seus músculos por lá era Jack LaLane. Logo após a Segunda Guerra Mundial Vic Tanny, um fisiculturista e apreciador do estilo de vida litorâneo, inaugura próximo a "Muscle Beach" o maior e mais bem equipado ginásio daqueles tempos, o Tanny's Gym. Nele treinaram figuras famosas, com Steve Reeves, Joe Gold, Arthur Jones, Armand Tanny, George Eiferman e muitos campeões da época. Todavia, em 1959 por pressão dos comerciantes locais as instalações da "Muscle Beach" em Santa Mônica foram retiradas e uma nova "Muscle Beach" foi aberta na praia de Venice Beach, onde, em 1965 Joe Gold inaugura a sua primeira e mais famosa academia, a Gold's Gym, e alguns anos mais tarde a World's Gym, tranformando Venice Beach na Meca do fisiculturismo.

Desde que Steve Reeves protagonizou Hercules no cinema e conquistou uma legião de admiradores pelo mundo a procura por academias de pesos cresceu assustadoramente e elas começaram a se proliferar pelo mundo. O fisiculturismo, que até então, em muitas competições de levantamento de pesos tinha uma importância secundária e, normalmente eram deixadas para o final do espetáculo, passaram a ser realizadas no começo.

É neste período, iniciado quando os principais atores do fisiculturismo começam a se concentrar no sul da Califórnia até meados dos anos setenta que muitos chamam de Golden Era do fisiculturismo. Foi neste período que as grandes inovações ocorreram e o fisiculturismo cresceu e se popularizou. Os que viveram este período relatam que o clima de camaradagem e descontração que vigorava entre fisiculturistas era grande. A Golden Era culmina com o grande sucesso do filme Pumping Iron, uma mistura de documentário e ficção, protagonizado por Arnold Schwartzenegger, Lou Ferrigno e outros tantos fisiculturista, e que mostrava os bastidores da maior competição de fisiculturismo.

Até meados dos anos 60 muitos fisiculturistas ainda treinavam para realizar feitos de força, mas aos poucos foram se especializando nos aspectos relacionados ao desenvolvimento da massa muscular e da estética e relegando a segundo plano as outras habilidades físicas.

Desde então, o fisiculturismo tem se desenvolvido de tal maneira que, atualmente, ligados ao fisiculturismo, existem empresários e profissionais dos mais inovadores no mundo esportivo. Uma das grandes inovações dos anos 60, que revolucionou a indústria do fitness, e que atualmente toda gama de freqüentadores de academias usufrui, foi a polia de resistência variável em forma de rim, cuja curvatura permite transferir uma carga adequada para cada ângulo do grupo muscular e assim trabalha o músculo de forma mais eficiente em toda sua amplitude de movimento do que trabalharia com peso livre ou com a polia redonda. Esta peça foi desenvolvida por Arthur Jones, uma das personalidades mais polêmicas e excêntricas do mundo do fisiculturismo, mas uma unanimidade quanto à inteligência e coragem. Considerado por muitos um dos sujeitos mais durões, "tough guy", que já existiu. Arthur Jones incorporou esta polia a máquinas de exercícios caprichosamente projetadas e lançou no mercado a linha de equipamentos Nautilus, tornando-se uma próspera indústria de equipamentos esportivos nos anos 70 e 80. Grande parte destes equipamentos ainda funciona mundo a fora.

Arthur Jones também foi criador do método de treinamento High Intensity Training – HIT que estabelece que, para desencadear o crescimento muscular, os treinos devem ser curtos, muito intensos e pouco freqüentes. Seu sistema prescreve uma série de recomendações e técnica para se atingir a alta intensidade e evitar o "overtraining". É até hoje um sistema controverso com muitos defensores e opositores dada a dificuldade em se realizar estudos realmente confiáveis que o corroborem. Sustenta-se até hoje, principalmente pela sua fundamentação lógica do que pela comprovação científica. O HIT se contrapõe ao treinamento de alto volume, ou seja, que gasta muitas horas de treinos semanais. Esta tem sido uma tendência crescente nas últimas décadas, tanto por parte dos fisiculturistas profissionais como pela grande parte dos freqüentadores de academias. Segundo os defensores do HIT esta seria uma das causas de, atualmente, raramente se encontrar em academias pessoas que realmente conseguem obter um desenvolvimento muscular de forma natural, ou seja, sem o auxílio de esteróides anabólicos. Fato este, que segundo seus defensores, não ocorria no passado quando não existiam tais drogas e não se treinava com um volume tão grande como boa parte dos praticantes treina hoje em dia.

Mas apesar crescente popularização do HIT, o principal método de treinamento utilizado até hoje pelos fisiculturistas ainda é o "Weider System of Training", criado por Joe Weider e que já tem cerca de cinqüenta anos e ainda continua muito popular. Na verdade o "Weider System of Training" não é bem um sistema, mas um conjunto de estratégias e técnicas que podem ser aplicadas para elaboração de rotinas de treinamento bem variadas, algumas delas servem para aumentar a intensidade e outras o volume, mas o sistema tende a conduzir ao treinamento de alto volume devido à tendência do praticante desavisado querer aplicar o máximo de técnicas possíveis, da mesma forma que a grande variedade de equipamentos disponíveis em academias tende a conduzir ao alto volume por querer utilizar todas as opões de exercícios disponíveis.

Até os anos 60 e inicio dos anos 70, as academias eram freqüentadas predominantemente por homens, todos com o objetivo de ficarem fortes e musculosos, muitas delas sequer aceitavam o ingresso de mulheres, mas alguns empresários e profissionais de saúde perceberam que os treinamentos com pesos e com equipamentos de musculação produziam resultados reais e também poderiam ser usados por pessoas comuns meramente para melhorar o condicionamento físico e a aparência, ou mesmo como atividade complementar para outros esportes. A partir de então, começa a surgir e a crescer a industria do fitness e muitas das tradicionais academias começaram a ser compradas por empresários sem vínculo com o fisiculturismo e apenas com interesses meramente comerciais. Com isso as academias começaram a mudar gradativamente suas características, visando atrair um público maior e mais variado, muitas foram reformadas e decoradas, com isso elas ficaram mais atrativas e passaram a ser cada vez mais freqüentadas por mulheres, modelos, idosos, cardíacos e gente das mais diversas tribos. Mesmo jovens com vocação para o fisiculturismo sentem-se atraídos por este ambiente mais iluminado e com a presença de garotas, e não ingressavam mais ou se desligavam das antigas academias underground provocando um crescente fechamento destas.

Outra estratégia, que foi e ainda é usada para atrair o público comum foi divulgar a idéia de que para se atingir bons resultados não era necessário todo aquele esforço desprendido por fisiculturistas e levantadores de pesos e que, o bordão "No Pain No Gain" tão usado por estes, estava totalmente equivocado, muitos "estudos" foram feitos para demonstrar que um nível muito mais baixo de esforço seria suficiente para adquirir um bom condicionamento e um corpo bem modelado. Era tudo que os adeptos do menor esforço queriam ouvir. Concomitantemente, a industria de equipamentos e material esportivo começa a produzir e a vender cada vez mais itens sofisticados e também supérfluos. As regras de comportamento em academias, antes poucas e simples, agora são excessivas e ridículas. Imaginem hoje em dia alguém treinar descalço ou sem camisa, ou ficar treinando poses ou  fazendo exercícios isométricos em frente ao espelho na presença de outras pessoas, ou dar aquele urro de satisfação quando conclui um levantamento difícil. O asco por suor de parte dos atuais freqüentadores de academia é tão grande, que gastam quantidades enormes de álcool e preciosos minutos higienizando um equipamento para então utilizá-lo, esquecendo-se de que há gente esperando para utilizar o equipamento, para estas pessoas parece que o suor é algo antinatural e que não tem relação alguma com exercício físico, ou como se houvessem relatos de casos de contágio por doenças infecciosas pelo compartilhamento de equipamentos de ginástica. As mudanças decorrentes do avanço do fitness sobre o fisiculturismo e outras modalidades de levantamento de pesos não param, e hoje, apesar da popularidade do fisiculturismo, seus praticantes são minoria nas grandes academias. Com todo essa abordagem mercadológica e mudanças, não é de se estranhar que os antigos dizem não encontrar mais indivíduos tão fortes como havia apenas algumas décadas atrás. Hoje, os bons fisiculturistas se concentram e algumas poucas e pequenas academias, mas abarrotadas de pesos, mantidas por amantes desta atividade.

O grande empresário do fisiculturismo e do fitness, que o popularizou e difundiu a prática de exercícios com pesos para o aprimoramento da saúde e condicionamento físico foi sem sombra de dúvidas o canadense Joe Weider, que desde os anos 40 já publicava revistas de fisiculturismo, treinava atletas e organizava competições. Através de suas revistas comercializava sua própria linha de equipamentos, cursos e suplementos alimentares. Hoje a revista "Muscle & Fitness" é uma das revistas mais vendidas no mundo. Joe Weider e seu irmão Bem Weider fundaram em 1946 a maior federação de fisiculturismo do mundo, a International Federation of Bodybulding – IFBB, criou a competição de fisiculturismo mais importante do mundo, o Mister Olympia, e também foi o patrocinador de grandes campeões, como Larry Scott, Sergio Oliva, Arnold Schawrtzenegger, Lou Ferrigno, Frank Zane, Lee Haney, Dorian Yates e muitos outros. Durante anos Joe Weider travou uma luta sem tréguas contra Bob Hoffman, o principal empresário que controlava os esportes de força nas décadas de 40 e 50, dono da Revista "Strenght & Health", e da tradicional marca York de barras e pesos olímpicos. Bob Hoffman tinha uma predileção pelo levantamento olímpico e considerava o fisiculturismo uma modalidade secundária e de menos importância, tanto que em sua federação (AAU) as competições de fisiculturismo eram realizadas após as de levantamento de pesos e fazia parte da competição de fisiculturismo provas de levantamento de peso, mas mesmo assim ele não queria perder o controle sobre esta modalidade e durante anos atacou e tentou prejudicar Joe Weider como pode.

Mas a figura mais proeminente do fisiculturismo, tanto pelos títulos conquistados como atleta, como pelo sucesso dos filmes que protagonizou e pela bem sucedida carreira política, é sem dúvidas Arnold Schawrtzenegger. Atualmente ele é governador do estado da Califórnia e como empresário organiza o maior evento de cultura física do mundo, o Arnold Sports Festival, evento anual realizado em Columbus Ohio, que além de uma enorme feira de fitness, inclui inúmeras competições das mais diversas modalidades da cultura física, a começar pelo Fisiculturismo, que é colocado como o evento mais importante, chamadoArnold Classic, e para assisti-lo é necessário pagar por ingressos mais caros. Também fazem parte do evento competições de Strongman, Powerlifting, Weightlifting, Wrestling (Luta Olímpica), Luta-de-Braço, Box, Supino, Arco e Flecha, Grappling e alguns outros eventos. Percebendo o sucesso deste tipo de evento, que congrega várias modalidades da cultura física, Joe Weider também introduziu a partir de 2008 várias competições paralelas ao Mister Olímpia.

Hoje o fisiculturismo é a modalidade de cultura física mais conhecida e popular, mas também a mais polêmica e ainda é alvo de freqüentes reportagens depreciativas e desonestas da mídia, mas isto só faz dos praticantes desta modalidade, que resistirem à pressão social e permanecem firmes nesta atividade pessoas ainda mais fortes.


por Spartacus Eduardo Bottaro Marques