terça-feira, 25 de maio de 2010

Brasileira participa de competições de fisiculturismo aos 67 anos


Ela acredita ser a mais velha do mundo a participar de concursos.
Mãe de dois filhos e avó, ela treina musculação desde os 59 anos. 

 A autônoma Sônia Moreira Ferraz, de 67 anos, acredita ser a mulher mais velha do mundo a participar de competições de fisiculturismo. Ela se prepara para o próximo desafio, uma disputa entre atletas de todo o país que acontece ainda este mês em São Vicente, a 65 km da capital paulista. Adepta da musculação desde os 59 anos, Sônia pretende derrubar o mito de que existe limite de idade para se dedicar à atividade.

Aos 73 anos, a americana Ernestine Shepherd aparece no Guinness, livro dos recordes, como a fisiculturista mais velha do mundo. A brasileira quer que seus patrocinadores entrem em contato com a organização do livro, porque acredita ser a mais velha a participar de competições. "A Sônia é a única atleta no mundo da idade dela que disputa um campeonato de Figure Fitness. Não existe uma atleta na idade dela competindo. É uma coisa totalmente inédita", afirma o treinador da atleta, Lincoln Malaszoviski.

 A Figure é uma categoria que valoriza o contorno da musculatura, sem exageros. O treinador afirma que, como não há competidoras master (ou acima de 40 anos) na categoria, Sônia acaba disputando com jovens de 20 e 30 anos. Os treinamentos fizeram a autônoma perder cerca de 30 quilos e ficar com 51 quilos distribuídos em 1,49 metro de altura.

Ela começou a treinar aos 59 anos. Foram três anos e meio até estrear, aos 62 anos. "É um trabalho muito sério, uma dedicação muito séria. Tenho vários médicos me acompanhando", afirma Sônia. Ela pretende escrever uma biografia contando sua história. "Eu quero fazer uma biografia para alertar as pessoas que, em qualquer idade, é possível começar", afirma. E diz que fazer musculação acaba até com as temidas celulites. "As minhas foram todas embora."

Mãe de dois filhos e avó de um jovem de 17 anos, Sônia conta que a família sente orgulho dela. "Eles acham maravilhoso. Meu filho, que mora em Campinas, anda com uma revista [em que ela apareceu] embaixo do braço e mostra para todo mundo", conta. Ela diz que o neto está ansioso para também fazer musculação. "Meu neto falou que daqui a pouco vai estar na academia."

No começo, o marido estranhou a decisão da autônoma. "Agora ele adora, me apoia em tudo, ajuda em tudo, no que for necessário. Porque ele vê que eu tenho muito boa saúde. Porque não adianta ter boa forma e não ter saúde perfeita", afirma Sônia. Aos 67 anos, ela conta fazer agachamento com um peso de 110 quilos.

Antes das competições, o treinamento é intenso. Ela faz exercícios das 17h às 18h e entre 22h45 e meia-noite, todos os dias. A alimentação nesse período também é regulada. Ela diz que só se alimenta de batata doce e filé de frango sem sal. Quando acaba o período de concursos, ela passa a treinar uma vez por semana e relaxa – mas só um pouco – na dieta.

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Gordura: fácil de armazenar e difícil de queimar




Em virtude de tantos comentários sobre o texto Qual o melhor treino para queimar gordura?,  resolvi dar uma visão mais ampla sobre o assunto.

Processo de armazenamento de gordura (engorda) – Na época em que o homem das cavernas não sabia quando teria alimento disponível, um mecanismo de sobrevivência era a capacidade de armazenar gordura. Quando havia comida em abundância, o homem primitivo comia o máximo que podia e engordava. Em períodos de escassez, sua energia provinha da reserva de gordura armazenada.

Infelizmente, este mecanismo de sobrevivência permanece até hoje em nosso DNA Além disso, a nossa alimentação sofreu grandes mudanças. Passamos a ingerir alimentos muito mais densos, em termos de calorias. Enquanto o homem primitivo comia frutos, raízes e carne sem qualquer condimento ou preparo, hoje ingerimos frituras, doces e alimentos bastante calóricos, apesar de mais saborosos.

A queima de gordura - Justamente por se tratar de uma reserva energética, a sua estrutura molecular apresenta um alto rendimento de calorias, ou seja, a queima da gordura libera bastante energia. É como se fosse um combustível que faz seu carro rodar muito mais quilômetros por litro: cerca de 3,5 vezes mais que os carboidratos, outra fonte de energia que temos. Então, armazenar energia se tornou o grande obstáculo para emagrecer.

Um terceiro e fundamental conceito é o nível de atividade física que vem diminuindo cada vez mais, em função das facilidades tecnológicas. Nos primórdios dos tempos, éramos obrigados a percorrer enormes distâncias a pé, a caçar, saltar, etc. A nossa realidade vem mudando, pois não aprendemos a fazer o bom uso da tecnologia, nos acomodamos, e nos entregamos ao conforto proporcionado pelos automóveis, controle remoto, elevadores, etc.

Por Renato Dutra

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Agachamento Livre

É o exercício preferido dos bodybuilders e impõe grande quantidade de trabalho muscular, ajudando na coordenação motora e no fortalecimedo do núcleo

Por Leandro Camargo (hard_training@hotmail.com)

O segundo exercício a ser demonstrado em nossa coluna guia de exercícios com pesos será o agachamento com barra livre.

Gosto de pensar que se existe um exercício hard na sala de musculação, esse exercício é o agachamento livre devido à quantidade de trabalho muscular realizado durante a execução, é o exercício preferido de muitos bodybuilders.

Além disso, é bem completo quando executado de maneira adequada, pois ajuda muito na coordenação motora e no fortalecimento do núcleo (base), com uma boa aquisição de expansão torácica, melhorando a capacidade respiratória.

Trata-se também de um exercício muito polêmico, assunto de eternas discussões entre especialistas, no entanto o fato é que a partir dele surgiram diversos exercícios, tornando-o um dos exercícios básicos do treino com pesos, sendo esta sua importância.

Músculos atuantes
Os principais músculos atuantes são o quadríceps femural (vasto lateral, reto femural, vasto intermédio e vasto medial), isquiotibiais (semitendinoso e semimembranoso), glúteo máximo, glúteo médio, adutores da coxa, tibial anterior, fibular longo, fibular curto, sóleo, músculos eretores da espinha e parte da musculatura abdominal.

O exercício
Posição inicial: Posicione a barra sobre a parte superior das costas e não no pescoço. Segure a barra com as mãos afastadas, pouco mais que a largura dos ombros ou onde sentir-se confortável para obter bom equilíbrio. Posicione os pés com ligeira abdução, com uma distância igual ou ligeiramente maior que a largura dos ombros.

Agachamento Livre

Execução: Comece flexionando lentamente os quadris e os joelhos até as coxas ficarem paralelas ao solo, ou um pouco mais se desejar recrutar mais fibras musculares, mantenha as costas o mais restas possível, (evitando arredondar a coluna vertebral para evitar lesões), o queixo para cima e os ombros retos. Após chegar ao ponto mais baixo empurre a barra para cima a partir dos calcanhares voltando à posição inicial. Procure não relaxar a musculatura do quadríceps em nenhum momento durante a execução.

Primeira etapa:

Agachamento Livre

Agachamento Livre

Segunda etapa:

Agachamento Livre

Agachamento Livre

Terceira etapa:

Agachamento Livre

Agachamento Livre

Observação:

É importante lembrar que a amplitude do agachamento determina o tipo de envolvimento muscular obtido, quanto mais profundo, mais músculos e fibras envolvidas.

No entanto, quando se trata de iniciantes nesse exercício é interessante começar com uma amplitude menor e ir aumentando gradativamente, conforme o indivíduo vá adquirindo melhor suporte articular e confiança.

Existem também algumas variações na distância entre as pernas, realização do exercício na máquina smith e também do posicionamento da barra livre que pode ser colocada a frente da cabeça, o que dificulta mais o exercício, pois tem-se um menor acionamento dos eretores da espinha vertebral. Portanto uma melhor preservação da mesma.

terça-feira, 18 de maio de 2010

Fase excêntrica ou negativa nos exercícios de musculação

Negativa bem executada aumenta a força, as condições nutricionais do tecido, o metabolismo e a hipertrofia

Por Paulo Cavalcante Muzy (muzypaulo@gmail.com)


Fase excêntrica ou negativa nos exercícios de musculaçãoVamos falar de fisiologia da contração muscular?

Pois bem, vamos falar de uma coisa importante e que todo mundo sabe que é importante mas ninguém sabe direito porque: porque diabos o seu professor fala tanto para você fazer a "negativa" devagar?

Primeiro porque fletir ou estender uma articulação não significa treinar o músculo, ou seja, dobrar o cotovelo pode ser bem diferente de treinar bíceps...

Charles Glass gosta de falar de uma coisa chamada consistência da contração muscular, e hoje vamos falar de uma etapa dela: a força concêntrica.

Treinar forçando a "negativa" significa obedecer parte dos preceitos do exposto acima. O ganho real que temos quando isso acontece é o ganho de força.

Pelo seguinte: ao provocar o encurtamento do músculo como esforço (fase concêntrica da contração muscular) utilizamos o músculo segundo unidades de ativação que chamamos de unidades motoras, que são compostas por 1 neurônio, 1 placa mioneural e algumas fibras musculares, cujo numero pode variar de músculo para músculo.

A diferença entre a contração ser concêntrica ou excêntrica é no numero de placas motoras utilizados para realizar o movimento...

Ou seja, para uma carga X, utilizamos 5 UM's por exemplo para realizar a contração concêntrica (a favor do sentido de encurtamento do músculo), enquanto que, se utilizarmos 3 UM's provocaremos uma desaceleração do movimento contrario (contração excêntrica – no sentido oposto ao do encurtamento do músculo...).

O que temos então?

3 UM's fazendo o trabalho de 5 UM's, logo, temos um aumento relativo no trabalho de cada unidade motora que provoca o seu tecido muscular a se adaptar, melhorando sua força e se a as condições nutricionais do tecido e o metabolismo do atleta permitir, hipertrofia.

Entendeu porque a excêntrica é tão importante? Vai obedecer seu professor agora?


sexta-feira, 7 de maio de 2010

Treinamento para Costas


costas

O problema mais comum dos fisiculturistas de competição da atualidade é um desenvolvimento incompleto das costas. Uma das causas disso é que eles não conseguem estudar suas costas tão claramente quanto podem fazer uma pose frontal e, então, não ficam motivados a exercitar as costas tão diligentemente quanto seus peitos ou braços. Um outro motivo, contudo, é uma má técnica de treinamento para as costas. O treinamento para as costas é mais sutil e mais difícil do que a maioria das pessoas acha. Em primeiro lugar, a função básica do grande dorsal e dos outros músculos das costas é puxar a cintura escapular para baixo e para trás. Muitos fisiculturistas não compreendem isso e ficam confusos em relação a quais músculos deveriam estar trabalhando. Se eles se inclinam para trás durante os exercícios e usam a região lombar ou os ombros, então os músculos das costas nunca trabalham em uma completa amplitude de movimento.

Desde cedo, você aprende a coordenar seus esforços musculares para tornar o ato de levantar algo mais fácil. Você aprende a dobrar os joelhos quando levanta alguma coisa, para tirar o máximo de trabalho dos músculos das costas e distribuir o peso melhor, de modo a permitir que os músculos adjacentes ajudem. Isso é o oposto do que você tenta fazer como fisiculturista. O caminho para um treinamento eficaz para as costas é aprender a isolar as várias áreas das costas e depois tornar as coisas mais difíceis para cada uma destas, e não mais fáceis.

Tenho observado fisiculturistas executarem remada inclinada com uma quantidade impossível de peso, de modo que têm que arremessar a barra no ar usando cada músculo do corpo. Esse tipo de atitude nunca irá lhes dar um dorso de boa qualidade. Quando fazem a remada sentados, muitos deles adicionam peso à pilha, como se levantar peso fosse a única coisa importante, e depois se inclinam para trás, usando muito a região lombar, em um esforço para terminar o movimento.

Do mesmo modo, muitos fisiculturistas permitem que os bíceps façam muito trabalho quando eles estão fazendo exercícios de puxada ou de remada, o que resulta em um desenvolvimento potente do braço, mas não ajuda muito as costas. Eles precisam concentrar-se em usar os braços simplesmente como um elo entre as costas e a barra ou os puxadores da roldana, e não como um meio primário de elevar peso.

Mas, se você aprender a técnica de treinamento de costas absolutamente correta, as costas consistem de inúmeros músculos complexos e inter-relacionados e não se desenvolvem necessariamente na mesma velocidade em todos os indivíduos. À medida que você se torna mais e mais experiente e avançado no fisiculturismo e começa ver quais áreas de suas costas responderam mais rapidamente do que as outras, desejará alterar o seu programa para incluir mais trabalho para os músculos que não estão sendo trabalhados.

Desenvolvimento da Região Dorsal Externa

A região dorsal externa responde à remada com pegada fechada, porque com essa pegada no puxador da roldana ou na barra, você não consegue ir mais para trás do que seu torso e, assim, reduz a amplitude de movimento. Um dos meus exercícios favoritos para a região dorsal externa é a remada com barra em "T", feita o mais corretamente possível.

Desenvolvimento da Região Dorsal Interna

O exercício básico que recomendo para desenvolver a região dorsal é a remada inclinada com barra e carga pesada. Adicionalmente, você pode fazer remada sentada com pegada aberta, usando uma barra longa em vez de puxadores. Se um lado dessa região estiver mais desenvolvido do que o outro, experimente fazer remada unilateral com halteres para trabalhar cada lado isoladamente.

Largura do Grande Dorsal

O grande dorsal é extremamente importante tanto nas poses frontais quanto nas posteriores. Dorian Yates e Kevin Levrone têm um grande dorsal verdadeiramente olímpico e ficam bem, não importando qual pose executam ou de qual ângulo sejam observados. A amplitude e a largura do grande dorsal são acentuadas por meio de exercícios que puxam o grande dorsal para fora o máximo possível. Flexões na barra fixa com pegada aberta e puxada com pegada aberta são os principais exercícios para obter esse efeito.

Desenvolvimento Lateral Inferior

A amplitude do grande dorsal é menos eficaz se o grande dorsal não se estende até a linha da cintura. Os exercícios que o ajudam a treinar o grande dorsal inferior incluem remada unilateral com cabos e movimentos de pegada fechada, como flexão na barra fixa com pegada fechada e puxada com pegada fechada.

Espessura da Região Central das Costas

A região central das costas recebe a maior quantidade de trabalho quando você aumenta a amplitude de movimento o máximo possível. Portanto, a remada sentada com puxadores separados permite que você traga os cotovelos mais para trás e coloque mais esforço na região central das costas. As remadas feitas com pegada bem aberta ou remada em "T", realizadas em um aparelho que permita uma pegada mais aberta, proporcionam o mesmo efeito.

Desenvolvimento da Região Lombar

Muitos fisiculturistas esquecem que a região lombar é um elemento essencial para tornar as poses de costas realmente eficazes. O levantamento terra com muita carga força a região lombar ao máximo. Mas você também pode usar exercícios como a flexão/extensão do tronco com barra e hiperextensão para isolar e desenvolver esta área.

Desenvolvimento Dorsal Global

Lembre-se de que outros grupos musculares contribuem para suas poses dorsais, especialmente poses de costas eretas como o duplo bíceps de costas e a abertura lateral de costas. Portanto, você precisa preocupar-se com músculos como o deltóide posterior, o trapézio e até mesmo bíceps e tríceps. Tudo está interligado, e os juízes podem olhar sua pose e lhe dar notas menores para as costas quando, na verdade, a falha estava em outro aspecto de seu desenvolvimento.

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Dieta do Mediterrâneo é ideal para o verão


dietlight

Chama-se Dieta Mediterrânea a base nutricional de populações que habitam o litoral de países da bacia do mar Mediterrâneo (Grécia, Itália do Sul, Sicília, Espanha Mediterrânea, Sul de Portugal, e as regiões da França que estão ao sul, no litoral Mediterrâneo). Basicamente o que se entende por dieta Mediterrânea é o que foi descrita por um especialista em nutrição humana, Dr. Walter Willet, da Universidade de Harvard, em 1990. Um padrão dietético que consiste em consumo diário de cereais (trigo, arroz) não refinados, sob forma de pão integral, arroz integral, lentilhas, etc., legumes, saladas, regados a óleo de oliva (principal fonte de gordura). Leite, queijos e iogurte, abundante consumo de peixes e produtos do mar, ocasionalmente, aves e pouca carne vermelha e derivados. Batatas, ovos e doces em proporção limitadas.

A dieta Mediterrânea usa o vinho tinto (1-2 copos por refeição) durante todo o ano, no almoço e no jantar. O vinho tinto é rico em um agente antioxidante e cardio-protetor, chamado resveratrol. Vários estudos metabólicos indicaram que o resveratrol prolonga a longevidade, protege contra a possibilidade de câncer (em animais experimentais), diminui o acúmulo de colesterol em placas arteriais e é um poderoso aliado contra a possibilidade de moléstias mentais degenerativas como a Doença de Alzheimer.

Nesta dieta as gorduras chamadas saturadas e consideradas aterogênicas, isto é, capaz de produzir depósitos em placas dentro das artérias, são muito pouco consumidas. O óleo de oliva, encontrado na mesa de gregos, espanhóis, italianos, portugueses, franceses, além de nutritivo, confere aos legumes, saladas, peixes, etc., um excelente paladar, sendo rico em ácido oleico.

Estudos publicados em importantes revistas médicas como New England Journal of Medicine e oBritish Medical Journal, em 2008, confirmaram que a Dieta Mediterrânea promove perda de peso comparável a dietas pobres em carboidratos, ao fim de dois anos de observação.  Os estudos ainda indicaram que o uso cotidiano dessa dieta reduziu o risco de morte por câncer bem como de doença coronariana. Mais importante ainda, houve redução significativa da prevalência de Doença de Parkinson (movimentos incoordenados e involuntários dos membros, com tremor digital) e da Doença de Alzheimer, com progressiva deterioração das faculdades mentais.

Mais recentemente, os mesmos pesquisadores ingleses demonstraram que os componentes da Dieta do Mediterrâneo estavam associados a menor índice de mortalidade. Outras pesquisas indicaram que essa dieta induz um risco menor de casos de diabetes e de depósito de gordura no fígado (esteatose hepática) tão comum nos obesos masculinos.

Por que a Dieta do Mediterrâneo é boa para o verão?

O verão no Brasil é associado, quase sempre, a férias e a maioria da população interiorana migra para o litoral, para as praias. É portanto uma oportunidade de deixar de lado a carne vermelha (bovina, suína, caprina), os embutidos e passar a ingerir mais peixes e produtos do mar, grelhados ou cozidos, e regados com óleo de oliva. Muitos legumes cozidos, saladas em profusão, cereais integrais, queijos e iogurte, azeitonas, algumas nozes e vinho tinto nas refeições principais. Teremos assim um verão mais gostoso e, sem dúvida, muito mais sadio.

Por Geraldo Medeiros

terça-feira, 4 de maio de 2010

O “The Arnold Sports Festival 2010, 22 Edição” foi extraordinário!

Mais de 18 mil atletas circularam entre os 700 estandes que expuseram seus mais variados e revolucionários produtos esportivos, concorridos entre as grandes marcas de suplementos

Por Dário Rubens Ferreira (Tony) 

Quem visitou o ARNOLD FITNESS EXPO, a mega feira em Columbus, Ohio, USA, não perdeu por esperar. E pôde ver de perto seus grandes ídolos, (mais de 18 mil atletas) circularam entre os 700 estandes que expuseram seus mais variados e revolucionários produtos esportivos, concorridos entre as grandes marcas de suplementos, que chegaram como de costume para oferecer ainda mais novidades aos atletas do mundo todo, em todas as modalidades esportivas. Sem dúvida um evento que fez história.

Durante toda a semana passaram por lá aproximadamente 180 mil fãs do esporte para apreciarem as mais variadas modalidades esportivas como: festival de artes marciais, que incluíram o karate, tae kwon do, judô, luta grega romana, entre outras.

E também teve: boxe, arco e flecha, concurso de dança, luta de braço de ferro, figure e fitness internacional, levantamento de peso, homens mais fortes, sendo o campeão desta modalidade, o atleta Derek Poundstone que recebeu o prêmio de 45 mil dólares, aproveitou a ocasião e fez bonito, ao pedir ao vivo, a mão de suanamorada em casamento. Isso é que é Homem de atitude! Já pensaram se a moda pega por aqui? Confira na foto. No total foram 44 modalidades diferentes, sendo que 12 foram Olímpicas. Estas competições foram realizadas simultaneamente, e os mais de 18 mil atletas brilharam nas competições que foram tanto amadoras, quanto profissionais.

Derek Poundstone

A categoria feminina do fisiculturismo profissional, contou com a presença de várias atletas incluindo a campeã do ARNOLD CLASSIC 2009 Iris Kyle, que esteve lá para defender a sua coroa, e não deu outra: sagrou-se novamente a campeã, e levou o prêmio de 25 mil dólares, veja na foto — e ai vai encarar? Ou então, que tal um jantarzinho romântico a luz de velas? — Brincadeiras a parte, reconheço a dedicação desta grande atleta.

Iris Kyle

Já quanto às gatas do fitness e do figure, essas realmente dão um show de beleza e estética, pois na maioria, não exageram no volume muscular, e sempre se apresentam com uma bela linha. E põe bela nisso!

Ainda falando sobre as beldades, vou destacar uma das competidoras da categoria fitness que me chamou atenção, seu nome é: Oksana Grishina. Esta atleta russa que ficou em quinto lugar, esbanjou carisma e simpatia em sua entrevista ao site flexonline.com dias antes da competição, e nos palcos além de repetir a dose, ainda acrescentou charme e elegância em sua apresentação. Ok devo confessar que esta categoria, das femininas, é a minha favorita! Agora vamos falar a verdade: vocês não acham que elas são lindas demais? Acredito que se a apresentadora Hebe Camargo tivesse visto, diria: "que gracinhas!"

Oksana Grishina

O Brasil foi muito bem representado neste evento, colocando os seus atletas em algumas categorias amadoras, e uma na profissional. Nas categorias femininas, tivemos na figure internacional profissional, nossa querida atleta Larissa Reis. Nas categorias amadoras, na fitness médium class, a Diana Paula Monteiro, na Figure class e, Loritza Oliveira De Andrade, e na figure class D, Alhandra Martin Dos Santos.

Já, nas categorias masculinas amadoras, tivemos na super heavyweight, outros grandes atletas brasileiros, os nossos super campeãos, Julio Cesar Balestrin, e Bruno Divino Neto. Na heavyweight, mais uma fera: Fernando Noronha de Almeida. Na middleweight, Claudio Antonio Do Monte, e também, Charles Mario, e na welterweight, Rodrigo Scardini. Aliás, a última vez em que vi o Julio Cesar, foi no WORKSHOP DA PROBIÓTICA DE NUTRIÇÃO ESPORTIVA E TREINAMENTO que contou com a presença do atleta IFBB Dennis James, em novembro de 2009. Sem duvida, todos eles fizeram bonito na terra do tio Sam. Quero deixar registrado aqui, os meus parabéns! E que Continuem olhando sempre em frente e acreditem sempre em suas jornadas. E saibam que nós aqui do Brasil, estaremos sempre torcendo para que vocês continuem brilhando nos campeonatos profissionais, e acredito que ainda terei o prazer de vê-los no Mr. Olympia no meio dos gigantes. 
 
Quero chamar a atenção de todos os empresários e patrocinadores, para que invistam em nossos atletas! Esses rapazes já deram provas mais que suficientes, de que são capazes de irem muito bem lá fora! Eu fico indignado quando vejo esses guerreiros após vencerem os campeonatos aqui no Brasil receberem um potinho de Whey Protein, que palhaçada! E que vergonha. Agora por outro lado, os atletas precisam se manifestar mais, se colocar, se expressar melhor sem medo, isso não pode acontecer mais.

No decorrer do show, o super astro de Hollyood Silvéster Stallone, foi agraciado com o chamado (Lifetime Achievemant Award). E depois em uma bela homenagem, onde foi utilizado um telão, foram mostradas fotos do ator, e junto dele um histórico seu que dizia que quando criança, Stallone praticava diversas modalidades de esporte, inclusive chegou a dizer que nunca teve ossos grandes e nem genética para se tornar um fisiculturista de verdade. E depois de mostradas várias fotos e alguns trechos em vídeos de seus principais filmes, o governador da Califórnia Arnold Schwarzenegger em tom de brincadeira, disse que assistiu a muitos filmes de Stallone, e quando o ator aparecia especialmente sem camisa em Rambo E Rocky, filmes que o consagraram, ele cobria os olhos de sua esposa, pois ficava com ciúmes. E disse também que sempre admirou o astro, pois em seus filmes, promoveu a importância da atividade física, o fisiculturismo, os suplementos, e uma alimentação mais equilibrada, proporcionando uma melhora na qualidade de vida de todos e especialmente de seus fãs.  

Silverster Stallone e Arnold

No último dia do evento, a parte mais aguardada e a principal, foi o ARNOLD CLASSIC, categoria fisiculturismo masculino profissional. Que foi apresentado pelo especialista no assunto Lone Teper.  
                                               
Com uma abertura digna de produção cinematográfica, — quatro soldados devidamente fardados ao estilo mariners, — marcaram presença ao empunhar a bandeira americana, e ali permaneceram para dividir o palco com um coral que cantou trechos de algumas músicas e depois finalizou com a execução do hino americano.

Um a um, os astros foram anunciados com seus nomes mostrados em um telão, enquanto entravam no palco. Mais tarde, cada um deles fez sua apresentação individual.

Vários nomes importantes como Branch Warren, Toney Freeman, o vencedor do The Phoenix Pro 2010, Melvin Anthony, Phil Heath, Dexter Jackson, Ronny Rockel, o samurai Hidetada Yamagishi, e é claro o campeão do ultimo ARNOLD CLASSIC 2009, Kai Greene defendendo o seu título, estavam por lá, para abrilhantar este fantástico evento.

RONNY ROCKEL - Ficou em sexto lugar, com grande simetria e proporção. Estava realmente com muita qualidade no geral, seus ombros pareciam bolas de boliche evidenciando grande separação entre ombro e braço. Também mostrou um bom volume de pernas. Esse cara merece destaque, esteve muito bem no top six!

Ronny Rockel

TONEY FREEMAN - O mais alto e mais pesado dos competidores, pegou o quinto lugar, apresentou uma bela linha, muito bem equilibrada com grande definição. Sua apresentação fluiu bem, com boas poses, e fiquei surpreso por sua colocação, acredito que terceiro, se não segundo estariam a sua altura. Vale lembrar que Toney foi o competidor mais velho deste campeonato, com idade de 43 anos.

Toney Freeman

DEXTER JACKSON -  Ficou em quarto lugar e muito desapontado. Não esteve em sua melhor forma. Apesar de boa definição, suas pernas pareciam um pouco menores, e seu posterior de perna não mostrava muito detalhe. Ao lembrar que todos os detalhes são extremamente analisados pelos árbitros, começo a pensar se, ele já não estaria meio cansado desta brincadeira. Enfim, vamos ver como ele virá mais para frente.

Dexter Jackson

BRANCH WARREN - Terceiro lugar para este texano. E parece que o público não gostou muito quando seu nome foi anunciado nesta colocação. Este também veio bem trincado, posterior de perna bem marcado, assim como o seu super quadríceps, eu sinceramente gostaria de ver maiores detalhes em suas costas, acho que é um dos únicos pontos que lhe falta. Fez uma apresentação forte, com música clássica e depois trocou para o estilo hard rock. Aliás, Branch tem se destacado nas últimas competições, no último Olympia ficou em segundo, perdendo para Jay Cutler.

Branch Warren

PHIL HEATH - Com um físico incrível, ficou em segundo lugar com ótima separação entre os grupos musculares, veio grande, com muita densidade, e braços que penso terem sido talvez um dos melhores do show. Outro ponto importante foi à cor de sua pele, que certamente ajudou e muito na análise dos árbitros. Como eu disse acima, — os detalhes são muito importantes. Definitivamente Phil Heath vem com tudo para o próximo Olympia.

Phil Heath

KAI GREENE - Após fazer a defesa de seu título, reafirmou-se novamente como campeão! Estava realmente fantástico no geral, sua perna parecia ter vindo de outro planeta, fibrada no máximo, ao estilo Andreas Munzer, e inclusive com um super posterior muito bem desenvolvido. Dorsais que saiam praticamente de sua cintura, (aliás, pra quem não sabe, ele teve uma ajudazinha especial de Dorian Yates), nos treinamentos de costas para este campeonato. Sempre com poses diferentes, em sua apresentação, desta vez ele inventou uma parada de mão apoiando os pés na parte do fundo do palco. Nesta hora até pensei: quase que o Kai "cai, sô" Desculpem o trocadilho, mas não resisti. Agora vamos analisar outro detalhe interessante: o "coque" que ele usa, estilo Chico Cesar cantando Mama África... fala sério. Enfim, com "coque" ou sem "coque" foi o grande campeão da noite, e merece todo o mérito. Só quero ver o que vai rolar no próximo Olympia. Jay que se cuide muito bem, se não tchau, tchau.

Kai Greene

OUTROS COMPETIDORES

HIDETADA YAMAGISHI - Mais uma vez apresentou um belo shape, que, aliás, esteve até melhor do que no campeonato THE PHOENIX PRO duas semanas antes do ARNOLD CLASSIC onde ficou com a segunda colocação, atrás de Melvin Anthony. Desta vez o samurai ficou em oitavo lugar

Hidetada Yamagishi

MELVIN ANTHONY -   Nono para o marvelous, que neste campeonato esteve um pouco retido no geral. Esperava vê-lo no top six, mas desta vez não chegou trincado o suficiente. Talvez tenha relaxado sua dieta um pouco demais após a vitória no THE PHEOENIX PRO.

Melvin Anthony

ROELLY WINKLAR - Em sua primeira vez no ARNOLD CLASSIC, mostrou o seu valor ficando em sétimo lugar, tem bom conjunto, especialmente braços e pernas. Porém vejo que deveria dar mais atenção as poses, para exibir toda a qualidade de seu físico.

Roelly Winklar

As premiações foram às seguintes:

Ronny Rockel, Sexto lugar recebendo 10 mil dólares.

Toney Freeman, quinto lugar recebendo 15 mil dólares.

Dexter Jackson, quarto lugar recebendo 30 mil dólares.

Branch Warren, terceiro lugar recebendo 50 mil dólares.

Phil Heath, segundo lugar recebendo 75 mil dólares.

Kai Greene, primeiro lugar recebendo 130 mil dólares.

Houve ainda mais duas premiações que foram: O mais musculoso e o melhor posador.

Branch Warren recebeu o prêmio de O MAIS MUSCULOSO

E Kai Greene levou o de MELHOR POSADOR

Porém, nas poses, ao assistir o ARNOLD CLASSIC, notei que o Kai Greene fez poses diferentes com algumas acrobacias que eu ainda não tinha visto nenhum outro atleta fazer. E isso para o público foi show de entretenimento.

Kai Greene

Melvin Anthony não mudou muito, começou com um estilo clássico e terminou com alguns passos de dança.

Agora em questão de poses mais bem executadas, com belas transições (passagem de uma pose para outra) sem dúvida o samurai Hidetada Yamagishi, mostrou que tem talento e habilidade como poucos. Sua apresentação fluiu bem, exibiu poses clássicas, alinhadas e com muito estilo. Em meu ponto de vista penso que o prêmio de melhor posador deveria ficar com ele!

Confiram as apresentações que selecionei para vocês nos links abaixo e tirem suas próprias conclusões:

Kai Greene

Melvin Anthony

Hidetada Yamagishi

Depois de ter visto todos esses colossos, fico imaginando como eles iram chegar no próximo Mr. Olympia. Kai Greene já mostrou que dará dor de cabeça para Jay se estiver super trincado, simétrico e volumoso, e ainda temos o Branch Warren, Dexter Jackson, Toney Freeman, Phil Heath, entre outros! Pois é amigos, Jay Cutler mais uma vez terá que se superar para manter seu reinado. Vamos aguardar para ver o que acontece.

Concluindo, este foi com certeza um evento memorável, não só para o fisiculturismo, como para o esporte em geral. Extremamente bem organizado, e de muito bom gosto, com muitas atrações, e premiações. Acredito que todas as pessoas que lá estiveram durante todos aqueles dias, certamente foram presenteadas com muitas horas de lazer e entretenimento, e sem dúvida retornarão no próximo ano. Um forte abraço a todos e até a próxima.  

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Mitos e verdades sobre o ômega 3


salmao

Os benefícios de suplementar a nutrição diária com ômega 3 têm sido exaltados todo mundo já sabe, pois têm sido insistentemente divulgados pela imprensa e alardeados pelos médicos. A ingestão de doses elevadas deste ácido graxo é indicada para reduzir depressão, melhorar a parte cardiovascular e prevenir coronariopatias. Além disso sugere-se que ele induz a longevidade e que, se usado por grávidas ele teria efeito benéfico no futuro quociente de inteligência da criança em gestação.

Diante de tantas promessas, a indústria da alimentação resolveu colocar ômega-3 em vários produtos nutricionais, como em bebidas, sucos, margarina, enfim, em vários produtos comumente consumidos pela população. Mas isto seria correto? Existe algo de verdade nutricional em "enriquecer" alimentos com  ômega 3?

As dúvidas procedem, pois nem todos os ômega 3" são iguais. O "bom" ômega 3 é o de cadeia longa (ácidos graxos de cadeia longa) que provem de peixes de águas profundas (salmão, atum, bacalhau, albacora, cação). Os ômega 3 menos adequados, com poucos benefícios para a saúde, são os ácidos graxos de cadeia curta - aqueles de conformação quimicamente menores encontrados em óleos extraídos de soja, de gira-sol, de milho. Este minúsculo ômega 3 também está presente em alguns vegetais "verdes" como o brócoli, rúcula, couve, espinafre.

Como este ômega 3 diminutivo é muito mais barato que aquele proveniente dos peixes de águas profundas, os fabricantes o usam como chamariz, mas não esclarecem que ácido graxo é o pequeno, o de cadeia curta, de dúbias qualidades nutricionais.

Outro ponto importante é aquele levantado pelos estudiosos dos ácidos graxos. Os produtos alimentícios que contém ômega 3 de cadeia curta (óleos de soja, milho gira-sol, azeite de oliva), também contêm apreciável quantidade do ácido graxo chamado de ômega 6.

O ômega 6 também é encontrado em óleos comestíveis e amplamente usados na alimentação usual, em contraposição ao uso de manteiga, gordura animal e gordura de coco, consideradas como pouco saudáveis. O problema é que os óleos que usamos todos os dias possuem em sua composição tanto o ômega 3, como ômega 6, em proporção variável. Os dois ácidos graxos competem entre si, no metabolismo interno do nosso corpo, pelos mesmos locais que supostamente exerceriam efeitos benéficos. Em outras palavras, o ômega 6 é competidor do ômega 3 e anularia os efeitos benéficos deste ácido graxo no nosso organismo.

No mercado de suplementos nutricionais e na internet existe enorme oferta de cápsulas de ômega 3 sem especificar a é da cadeia longa ou curta. O pobre consumidor não saberá jamais se está ingerindo gato por lebre, pois os rótulos são enganadores. Para contornar esta situação a indústria farmacêutica lançou cápsulas de 500mg de puro ômega 3 de cadeia longa, sem presença de ômega 6 (potencial competidor).

Este produto que, em farmácias americanas, somente é vendido sob receita médica é, sem dúvida, o melhor que se pode utilizar, pois tem o selo de garantia da indústria que o manufatura. Muito recentemente a revista Nature publicou artigo científico indicando porque o ômega 3 de cadeia longa é tão benéfico à saúde. O nosso organismo ao receber o ômega 3, através de absorção intestinal, converte este ácido graxo em um produto químico chamado RESOLVIN D2.

Este produto reduz a inflamação associada com os processos arterioscleróticos, a inflamação das artrites e inflamações articulares, melhorando a expectativa de vida (e com melhor qualidade). Não há, nesta transformação alterações do sistema imunitário. Este trabalho veio confirmar que realmente o ômega 3 (o bom, o de cadeia longa) é muito benéfico à saúde e recomendado como suplemento nutricional diário.

Por Geraldo Medeiros

sábado, 1 de maio de 2010

Mitos e verdades sobre o ômega 3


salmao

Os benefícios de suplementar a nutrição diária com ômega 3 têm sido exaltados todo mundo já sabe, pois têm sido insistentemente divulgados pela imprensa e alardeados pelos médicos. A ingestão de doses elevadas deste ácido graxo é indicada para reduzir depressão, melhorar a parte cardiovascular e prevenir coronariopatias. Além disso sugere-se que ele induz a longevidade e que, se usado por grávidas ele teria efeito benéfico no futuro quociente de inteligência da criança em gestação.

Diante de tantas promessas, a indústria da alimentação resolveu colocar ômega-3 em vários produtos nutricionais, como em bebidas, sucos, margarina, enfim, em vários produtos comumente consumidos pela população. Mas isto seria correto? Existe algo de verdade nutricional em "enriquecer" alimentos com  ômega 3?

As dúvidas procedem, pois nem todos os ômega 3" são iguais. O "bom" ômega 3 é o de cadeia longa (ácidos graxos de cadeia longa) que provem de peixes de águas profundas (salmão, atum, bacalhau, albacora, cação). Os ômega 3 menos adequados, com poucos benefícios para a saúde, são os ácidos graxos de cadeia curta - aqueles de conformação quimicamente menores encontrados em óleos extraídos de soja, de gira-sol, de milho. Este minúsculo ômega 3 também está presente em alguns vegetais "verdes" como o brócoli, rúcula, couve, espinafre.

Como este ômega 3 diminutivo é muito mais barato que aquele proveniente dos peixes de águas profundas, os fabricantes o usam como chamariz, mas não esclarecem que ácido graxo é o pequeno, o de cadeia curta, de dúbias qualidades nutricionais.

Outro ponto importante é aquele levantado pelos estudiosos dos ácidos graxos. Os produtos alimentícios que contém ômega 3 de cadeia curta (óleos de soja, milho gira-sol, azeite de oliva), também contêm apreciável quantidade do ácido graxo chamado de ômega 6.

O ômega 6 também é encontrado em óleos comestíveis e amplamente usados na alimentação usual, em contraposição ao uso de manteiga, gordura animal e gordura de coco, consideradas como pouco saudáveis. O problema é que os óleos que usamos todos os dias possuem em sua composição tanto o ômega 3, como ômega 6, em proporção variável. Os dois ácidos graxos competem entre si, no metabolismo interno do nosso corpo, pelos mesmos locais que supostamente exerceriam efeitos benéficos. Em outras palavras, o ômega 6 é competidor do ômega 3 e anularia os efeitos benéficos deste ácido graxo no nosso organismo.

No mercado de suplementos nutricionais e na internet existe enorme oferta de cápsulas de ômega 3 sem especificar a é da cadeia longa ou curta. O pobre consumidor não saberá jamais se está ingerindo gato por lebre, pois os rótulos são enganadores. Para contornar esta situação a indústria farmacêutica lançou cápsulas de 500mg de puro ômega 3 de cadeia longa, sem presença de ômega 6 (potencial competidor).

Este produto que, em farmácias americanas, somente é vendido sob receita médica é, sem dúvida, o melhor que se pode utilizar, pois tem o selo de garantia da indústria que o manufatura. Muito recentemente a revista Nature publicou artigo científico indicando porque o ômega 3 de cadeia longa é tão benéfico à saúde. O nosso organismo ao receber o ômega 3, através de absorção intestinal, converte este ácido graxo em um produto químico chamado RESOLVIN D2.

Este produto reduz a inflamação associada com os processos arterioscleróticos, a inflamação das artrites e inflamações articulares, melhorando a expectativa de vida (e com melhor qualidade). Não há, nesta transformação alterações do sistema imunitário. Este trabalho veio confirmar que realmente o ômega 3 (o bom, o de cadeia longa) é muito benéfico à saúde e recomendado como suplemento nutricional diário.

Por Geraldo Medeiros