quinta-feira, 28 de outubro de 2010

As falsas magras ameaçam o reinado das marombadas

Rainhas de bateria já não querem músculos hipertrofiados e medidas avantajadas, e valorizam uma silhueta mais feminina

Rafael Lemos
Viviane Araujo, rainha de bateria da Academicos do Salgueiro, pratica exercicios na orla da praia do Recreio dos Bandeirantes

Viviane Araujo, rainha de bateria da Academicos do Salgueiro, pratica exercicios na orla da praia do Recreio dos Bandeirantes (Marcos Michael )

Mulher grande não veste bem. É um problema entrar numa calça de grife quando se tem uma coxa enorme", explica o personal trainer Xande Negão

Foi dada a partida para a preparação física das beldades que têm no Carnaval seu momento de maior brilho.  O site de VEJA acompanhou quatro estrelas de primeira grandeza: as rainhas de bateria Gracyanne Barbosa, da paulista Império da Casa Verde; Viviane Araujo, do Salgueiro; Renata Santos, da Mangueira; e Raissa Oliveira, da Beija-Flor de Nilópolis. Para chegar ao início de março com o corpo impecável que a ocasião exige, elas pegam no pesado – literalmente. Mas também fazem atividades divertidas, como andar de patins ou praticar dança do ventre. Sinal de um tempo de rainhas menos musculosas e mais graciosas, que têm em Renata e Raissa dois bons exemplos. Mesmo Gracyanne, que chega a levantar 400 quilos com as pernas, perdeu peso e reduziu medidas nos últimos dois anos. Viviane Araújo é outra adepta da malhação pesada que também deixou de valorizar exclusivamente os músculos.

Marcos Michael

Raissa Oliveira, rainha de bateria da escola de samba Beija-Flor de Nilópolis, apostou na dança do ventre na preparação para o carnaval

Agora, o que se busca é a estética "falsa magra", como define o personal trainer Xande Negão, do alto da experiência de quem cuida de famosos como Gracyanne Barbosa e o casal de atores Flávia Alessandra e Otaviano Costa. "As mulheres não querem mais ser grandonas. O que todo mundo quer é ter um corpão para mostrar sem roupa, e aparentar ser magrinha quando vestida. Um padrão Daniela Cicarelli. Mulher grande não veste bem. É um problema entrar numa calça de grife quando se tem uma coxa enorme", explica.

Ícone-mor das beldades marombadas, Gracyanne Barbosa, decidiu pisar no freio da malhação, na busca por um corpo mais delicado. Nos últimos dois anos, ela perdeu seis quilos e, agora, pretende manter a nova silhueta. "Não quero aumentar mais. Estou na minha melhor fase. Mas sempre fui atleta. Mesmo que não fosse rainha, malharia do mesmo jeito", afirma a musa de 26 anos, que se orgulha de levantar 140 quilos com as costas, no agachamento, e 400 quilos com as pernas, no leg press.

Experiente no carnaval, a rainha de bateria do Salgueiro e da Mancha Verde, Viviane Araújo,  também gosta de pegar pesado na musculação, mas toma cuidado para não exagerar. "Cada um tem seu estilo, seu jeito. Gosto de ficar malhada, mas sem exagero, sem ficar muito masculina. Acho que estou no meu melhor momento", pondera.

Representante dos tipos mignon, Renata Santos, ex-capa da Playboy e rainha da Mangueira pelo segundo ano consecutivo orgulha-se de pertencer à dinastia das rainhas delicadas. Com 1,70 m de altura e 63 quilos, a moça de 28 anos gosta de cintura fina e molejo. "Eu me prejudicaria se tivesse um corpo muito grande", afirma Renata, que tem uma queixa de deixar qualquer mulher furiosa de inveja: precisa lutar para não emagrecer. No fim do ano, com a intensificação da agenda de ensaios, o desafio é ainda maior: aumentam as noites de sono perdidas e diminuem os cuidados com a alimentação. "É o momento que tem que puxar mais, senão acaba emagrecendo. Aí, todo o trabalho do ano inteiro vai por água abaixo", diz.

Receitas diferentes - A menos de quatro meses do carnaval, a maioria das rainhas já começou a intensificar a malhação. Nessa pré-temporada, Gracyanne aproveita para malhar seis vezes por semana, e ainda capricha na dieta, rica em proteínas – incluindo o suplemento favorito dos bodybuilders: o Whey Protein, uma fórmula mágica que combina diferentes proteínas e promete milagres. "Tomo de duas a quatro vezes por dia. Alimenta e não engorda", afirma.

Já Viviane Araújo – outra fã do produto – garante que, apesar da boa forma, ainda não caiu dentro do projeto Carnaval 2011. "Ainda não estou num ritmo muito acelerado não. Só intensifico uns dois meses antes. Como o carnaval será em março, vai ser em janeiro que vou começar a malhar sério mesmo", conta, Viviane, que durante o ano todo faz uma hora e meia de musculação, às segundas, terças, quintas e sextas-feiras. As quartas são destinadas, exclusivamente, aos exercícios aeróbicos - aqueles que ela detesta, mas o personal não abre mão. "Meu treino é o mesmo durante todo o ano. Quando se aproxima do carnaval, eu aumento a frequência. malho de segunda a sábado, sem folga."

 

Marcos Michael

Gracyanne Barbosa, ainda sem escola definida para o carnaval do Rio de Janeiro, pratica exercícios em academia carioca

A jovem Raissa Oliveira tem a idade como aliada e pode se dar ao luxo de passar o ano inteiro, praticamente, sem visitar a academia. Rainha da Beija-Flor de Nilópolis desde os 12 anos, a moça de 19 anos só se entrega ao sacrifício da musculação alguns meses antes da folia. "Quando chega essa época, começo a malhar. Na verdade, sou muito preguiçosa e adoro comer. Se não fosse rainha, seria gorda", brinca. O menu diário de malhação da rainha de Nilópolis inclui uma hora de musculação e 30 minutos de spinning. Eventualmente, aulas de jump e lambaeróbica completam o cardápio de exercícios.

Para manter a forma durante o ano, Raissa gosta mesmo é de fazer aulas de dança do ventre, pelo menos uma vez por semana, em sessões que variam de uma hora a uma hora e meia. Ela começou aos sete anos e nunca mais parou. Trata-se de um exercício que, além de divertido, ajuda a manter o tônus muscular, trabalhando glúteos e abdômen. Para ela, a preparação de uma rainha deve ir além do físico. "Não basta ter um corpo bonito. Ser sensual pode ser mais importante. Uso muito da dança do ventre no samba", afirma.

Fonte: http://veja.abril.com.br/noticia/celebridades/as-falsas-magras-ameacam-o-reinado-das-marombadas