domingo, 30 de janeiro de 2011

Maltodextrina

Maltodextrina é um carboidrato complexo, proveniente da conversão enzimática do Amido do Milho. Sua absorção pelo organismo é gradativa e lenta, pois contém polímeros de dextrose. Estes polímeros acabam sendo metabolizados lentamente, o que faz com que ela forneça energia durante uma atividade física que necessita de resistência e de longa duração, pois ela vai liberando a glicose gradualmente no sangue.
Muito usada por jogadores de futebol, basquete, maratonistas, e também pela maioria dos praticantes de musculação, que é foco principal desse post. O pessoal que visa a hipertrofia usam tanto a maltodextrina quanto a dextrose, para repor o glicogênio muscular e como transporte de nutrientes para dentro das células, sejam as proteínas, creatina, BCAAs e glutamina. Graças ao pico de insulina causado pelo alto índice glicêmico desses carboidratos.
Por isso o mais indicado para se tomar a maltodextrina ou a dextrose, são juntos com a Whey Protein no pós-treino, podendo tomar junto também a Creatina, BCAA, ou Glutamina. A Maltodextrina não causa efeitos colaterais, e caso você não tenha problemas de diabetes, pode tomar tranquilo, e mesmo os diabéticos podem tomar, mas com orientação médica claro.

É impressionante como ainda existe confusão no meio da suplementação quando o assunto é maltodextrina. E não é por menos visto que alguns fabricantes geram essa confusão descrevendo em seus rótulos que a mesma é um carboidrato complexo.

A maltodextrina é um carboidrato proveniente da conversão enzimática do amido do milho. Na verdade, ela é um hidrato de carbono complexo, talvez daí a grande confusão. Em sua composição, a mesma contém polímeros de glicose, a maltodextrina pode ser composta de cadeias de 3 a 19 moléculas de glicose, ligadas por uma ligação glicosídica do tipo α 1→4, este tipo de ligação também está presente no amido, entretanto, o amido, como um verdadeiro carboidrato complexo, possui 2 tipos diferentes de estrutura, a amilose, e amilopectina, combinadas em cadeias de centenas ou milhares de moléculas de glicose, já a maltodextrina possui poucas moléculas, e ligadas por um único tipo de ligação. Observando as 2 moléculas fica óbvia a simplicidade da malto, se comparada com o amido. 

Alguns ainda devem estar questionando a questão da Maltodextrina não ser um monossacarídeo, e, sendo composta de mais de uma molécula de glicose, teria uma absorção e atividade fisiológica mais lenta. Entretanto, apesar de ser um oligossacarídeo, de glicose devido às suas fracas ligações carbônicas, e ausência de ramificações ou outro tipo de estrutura que não a cadeia simples de glicose com ligações α 1→4, a maltodextrina tem um comportamento muito semelhante à dextrose, que nada mais é que glicose simples, podemos observar isto pela absorção da dextrose, algo como 5 a 7 minutos, enquanto a malto leva não mais que 12 a 15 minutos.
O Índice Glicêmico (I.G.) é a classificação que diferencia os diferentes tipos de carboidratos. Estes tipos são classificados através dos níveis de açúcar no sangue que ficamos ao ingerirmos algum alimento, no caso os mesmos são classificados através da velocidade que cada um desses demora para chegar a corrente sanguínea. Quanto maior for o índice glicêmico, mais rápido este carboidrato cairá na corrente sanguínea e maior será o pulso de insulina, o que no decorrer do dia não será benéfico, pois neste processo, todo o excesso de glicose no sangue será convertido em ácidos gordurosos e triglicérides, que na seqüência serão armazenados na forma de gordura, salvo, claro o período pós-treino, que é um horário onde necessitamos realmente desse pico insulínico.

Abaixo, podemos verificar a tabela de I.G. de acordo com o optimalhealth.cia.com.au:

Fructose 32
Lactose 65
Honey 83
High fructose corn syrup 89
Sucrose 92
Glucose 137
Maltodextrin 137
Sugar, White 142
Glucose tablets 146
Maltose 150

Como vocês puderam observar, seu I.G. é exatamente igual ao da glucose e um pouco menor que o do açúcar branco, mais uma prova de que a mesma se comporta como um carbo simples. Empresas fabricantes de maltodextrina, como a Grain Processing Corporation (EUA) expressam em seus catálogos que o IG esperado da maltodextrina é idêntico ao da glicose ou dextrose puras, reafirmando a característica de açúcar simples da malto.
A maltodextrina é muito utilizada tanto em esportes de endurance (aeróbicos) como em esportes anaeróbicos, como é o caso de uma corrida de 100m ou a musculação. Seu objetivo se dá ao fato da mesma repor o glicogênio muscular perdido e garantir o transporte de nutrientes como Whey Protein, Creatina, Glutamina, Arginina, HMB e Bcaa's para dentro das células musculares graças ao pico de insulina causado pelo seu alto índice glicêmico.
É por isso que sempre alertamos nossos clientes para consumirem suas proteínas em conjunto com uma solução de carboidratos de alto índice glicêmico para garantir o transporte desses aminoácidos, proteínas, e metabólitos para dentro seus musculos com eficácia. Caso isso não seja realizado, parte dessa proteína será utilizada como fonte de energia, o que resultará em perda de dinheiro e tempo, pois a proteína além de mais cara, não foi feita para essa função. 

Procuramos recomendar antes dos treinamentos mais intensos, a utilização da maltodextrina na concentração de 6 - 8%, ou seja, para cada 500ml de água gelada acrescentar de 30 a 40g de maltodextrina dependendo de cada objetivo individual e fase de treinamento. Explico melhor, 500ml – 8% = 40g de maltodextrina ou 500ml – 6% = 30g de maltodextrina. É necessária essa utilização com água gelada com o objetivo de evitar assim um desconforto estomacal.
Utilizando-se quinze minutos antes do treinamento intenso, pode-se melhorar significativamente a energia e a capacidade de contração do músculo do indivíduo devido ao fato de se garantir cheios os estoques de glicogênio intramuscular. Realiza-se normalmente a refeição sólida com carboidratos complexos e proteínas de lenta absorção de 60 a 90 minutos antes do treinamento respeitando-se a individualidade como peso e objetivo específico de cada pessoa e faz-se o uso dessa suplementação quinze minutos antes. Em conjunto a essa solução, orientamos a adição de Whey Protein, Bcaa's, Creatina e/ou Glutamina para assim, se obter um maior teor de aminoácidos plasmáticos no momento do treinamento otimizando também a síntese protéica e a recuperação muscular a cada série.

Não há necessidade de utilização da maltodextrina durante as sessões de treinamento que tenham duração de menos de sessenta minutos. Ingerir uma quantidade de água considerável já é mais do que o suficiente para garantir hidratação e diminuição dos níveis de cortisol. Algumas pessoas que utilizaram a malto durante os treinamentos, nos relataram através de sua experiência prática que notaram melhora em seu rendimento, porém, outras não, portanto concluímos que a individualidade de cada pessoa deve ser respeitada. Atividades com duração superior a 60 minutos, pode ser adicionada uma solução de malto com a dosagem recomendada acima para assim, com sua rápida assimilação, se obter um fácil e rápido esvaziamento gástrico evitando assim um desconforto estomacal.
Atividades que atinjam tempo igual ou superior a 90 minutos devem provir além de carboidratos, repositores eletrolíticos. Já existem no mercado várias marcas com esses tipos de carboidratos de vários índices glicêmicos e repositores eletrolíticos tais como sódio, potássio e magnésio, ideais para esses tipos de atividades.
Já no período pós-treino recomenda-se a utilização de uma proteína de rápida absorção e alto valor biológico, como é o caso da Whey Protein, e dependendo das substâncias adicionais ingeridas, procuramos orientar nossos clientes a adicionar os dois carboidratos, no caso a maltodextrina e a dextrose. Por que isso? A adição dos dois carboidratos no pós-treino vai causar uma maior estabilidade dos níveis de insulina no sangue, garantindo assim a assimilação de 100% dos nutrientes ingeridos sem que haja risco de parte desses aminoácidos serem utilizados como fonte energética.

No período pós-treino intermediário e avançado, nota-se a presença dos dois carboidratos para um melhor aproveitamento das substâncias ingeridas não sendo necessário no nível iniciante. Orientamos a proporção de 50% dextrose e 50% Maltodextrina nesses casos. A posologia dos componentes irá variar dependendo do peso, composição corporal e objetivo de cada indivíduo. A Whey entrará para começar a recuperação, dar início ao anabolismo e a síntese protéica, a creatina entrará para drenar toda água do tecido subcutâneo para dentro das células musculares, causando também a reposição dos estoques de ATP, os bcaa's entrarão como anticatabólicos e a vitamina C para bloquear a ação do hormônio catabolítico cortisol. Cinqüenta minutos após essa suplementação recomenda-se a introdução de uma refeição sólida contendo carboidratos complexos e proteínas de lenta absorção com pouca ou quase nenhuma gordura.
O uso dessa suplementação tem como objetivo a reposição imediata de nutrientes, e como sua absorção é muito rápida, sua manutenção no plasma sanguíneo também é muito limitada, tendo um limite ai de 35 a 50 minutos, horário a qual se introduz a refeição sólida.

Por Dr Gustavo Coutinho Medeiros de Andrade

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

ESTRATEGIAS – Abdomen Sarado com Arnold Schwarzenegger





A maioria dos bodybuilders são obcecados em desenvolver e aumentar os músculos, como os bíceps, os deltóides, a perna e o peito. Gastam quase todo o seu tempo de treino com esses grupos musculares. E quase sempre deixam de dar a mesma dedicação aos abdominais.Algumas séries de abdominais na prancha ou no banco de hiperextensão, são executadas no fim do treino, mas sem o entusiasmo necessário. Esse é um erro comum, e a principal razão do porque muitos atletas não tem abdominais bem desenvolvidos, A verdade é que se você quer bons abdominais, você precisa trabalhas duro para tê-los. Nada vem fácil na musculação, mas você vai ter uma grande sensação de vitória ao ver seus gomos começarem a aparecer.

Seja um atleta de competição, ou somente alguém querendo passear pela praia, um abdominal hipertrofiado, sem gordura acumulada, é mais do que necessário. Toda a parede abdominal, que inclui o reto abdominal, os intercostais e os oblíquos, devem ser exercitados regularmente para retirar a gordura que se acumula nessa região. Nada melhora sua aparência com mais rapidez do que o ato de afinar a cintura, e ter a musculatura dessa região desenvolvida. Massa muscular é importante, mas sem uma boa aparência, sem definição, não é nada. Quem impressiona mais na praia ? O sujeito grandão, com 50 cm de braço, mas com uma cintura larga, ou um homem menor, com 45 de braço, mas com uma cintura toda definida, e com uma grande qualidade muscular ? Como eu mesmo me enquadro no biotipo do sujeito grande, eu gostaria de dizer que esse impressiona mais, mas não é verdade.

As pessoas logo associam uma cintura definida, estreita, com abdominais definidos, com esportes e bem estar. Quando alguém te pede para contrair algum músculo, o que você faz ? Contrai os bíceps. Mas quando é perguntado se está em forma, o que faz ? Se realmente se sentir em forma, você mostra seus abdominais.

Infelizmente, os método de treino, e a dieta para um abdominal definido, são completamente opostos ao caminho ideal para o ganho de massa muscular. Um número limitado de exercícios por grupo muscular, cargas pesadas, baixas repetições, longos descansos entres as séries são o caminho do ganho de volume, já uma grande variedade de exercícios, cargas moderadas, grandes repetições, e descansos curtos entre as séries são o modo para se conseguir a definição. Uma dieta rica em proteína, carboidratos e gorduras, e muitas calorias, te ajudarão a ganhar massa e peso. Mas uma dieta rica em proteína, mas baixa em carboidratos, gorduras e calorias fazem com que você ganhe qualidade muscular, aumentando a definição.

Então, o que o bodybuilder deve fazer ? Qual a solução para esse dilema ? A solução é óbvia. Você precisa dividir seu ano em períodos com ambos os métodos, um tempo com o treino e a dieta voltada para o ganho de massa, e outro para a definição muscular. Esse tipo de estratégia é bastante comum entre fisiculturistas profissionais. Dedicamos o tempo de off-season para aumentar o volume dos músculos, e a fase de pre-contest para definir e dar mais qualidade ao físico. Se você não tem interesse em competir, ainda assim essa metodologia pode ajudar muito. Eu sugiro os períodos de clima mais frio para o off-season e os outros para o trabalho de definição. Essa é maneira para se ganhar cada vez mais massa muscular, e melhorar a qualidade do músculo adquirido.

Eu acho que um abdominal desenvolvido é a parte do corpo masculino que mais rapidamente chama a atenção. Ter uma cintura fina, definida, é a chave para o destaque de toda a musculatura desenvolvida. Nenhum outro grupo muscular, sózinho, faz você ter um visual tão impressionante. Um bom abdominal faz você ter toda uma aparência diferenciada. Ajuda a dar a ilusão de ser ainda mais largo, faz com que o peitoral, os ombros e as pernas pareçam ainda maiores. Alem do que, com certeza, ao conseguir abdominais hipertrofiados, todo o resto do corpo também estará na mesma condição. Você não consegue fantásticos abdominais se o restante também não estiver acompanhando. E no caso dos competidores, não importa o quanto seus braços, pernas e ombros estejam grandes, se a cintura não apresentar qualidade, os juízes não vão considerá-lo apto a ficar entre os finalistas. A razão da minha derrota para Frank Zane, pelo título de Mr. Universo, em 1968, se deu por causa disso, por estar pesado demais, sem a qualidade necessária. Já Frank apresentava uma condição fantástica, em excelente forma, definição e simetria. Essa derrota funcionou com um alarme, me fazendo treinar meu abdômen como os outros músculos, com a mesma intensidade.

Um treino sério de abdômen afeta a musculatura de todo o corpo. Exercícios abdominais criam um estado de tensão muscular que ajuda a definir todo o resto, como se fosse um treino de isometria. Alem de melhorar sua aparência, o treinamento regular de abdominais apresentam outros benefícios. Abdominais bem condicionados são críticos para a boa saúde. Todos os exercícios dessa região tem um efeito tonificante para os órgão internos, e auxiliam no processo digestivo. Melhoram a postura, ajudando a manter a posição ereta, que embora pareça algo sem importância, é essencial para o bom atleta. Você precisa lembrar que uma corrente só é forte se todos os elos forem também. Se seus abdominais forem a parte fraca do seu corpo, você deixa seu organismo mais propenso a lesões durante o treino.

TREINANDO OS ABDOMINAIS

Eu aconselho o treino para essa parte do corpo a ser feito todos os dias, seis dias da semana. Quando eu necessito estar em foram com mais rapidez, eu trabalho o abdômen duas vezes por dia. Essa rotina some com a gordura, produzindo abdominais definidos com muito mais rapidez. Algumas pessoas dizem que não tem tempo para isso, mas algumas séries após acordar, e outras logo após o treino já resolvem o problema. Ou fazer algumas séries antes do treino normal, o que já ajuda no aquecimento, e repeti-las no final. Treinos de abdominais não precisam de muito tempo, embora possam ajudar, como defendia o campeão Zabo Koszewski, famoso por executar 1.000 repetições na prancha de abdominais, e mais 1.000 na elevação de perna, demorando duas horas para isso. Uma sessão diária de 15 a 20 minutos são tudo que você necessita para desenvolver bons abdominais, se mantiver a intensidade alta, com 30 segundos, ou menos, de descanso. Trabalhe essa região com dureza e intensidade. Outra alternativa é reduzir ao máximo o descanso, com o uso de super-series, com o menor tempo possível de descanso entre os exercícios. Isso causa um efeito aeróbico, que reduz o percentual de gordura em todo o corpo.

Essa é a rotina que eu utilizava em fases de pré-competição (pre-contest):

- Abdominais na prancha – 4 x 25 / 50 reps
- Encolhimento de pernas na Barra Fixa – 3 x 25 / 50 reps
- Encolhimento de pernas deitado no banco – 3 x 25 / 50 repetições
- Rotação do tronco – 3 x 50 reps
- Hiperextensão – 3 x 15 reps
- Elevação de pernas esticadas – 4 x 25 / 50 reps

Embora a hiperextensão seja mais indicada para o treino de costas, é fundamental para a hipertrofia do abdômen também, ajudando a remover a gordura da cintura como um todo.



ABDOMINAIS E DIETA

Você não conseguirá uma cintura de qualidade sem a dieta correta. Uma alimentação rica em proteínas, com baixos níveis de carboidrato é essencial. Mantenha os níveis de proteína altos, com a ingestão de 30 a 50 gramas por refeição, a cada três horas. Reduzindo sua ingestão calórica a 500 calorias, e queimando outras 500 na academia, você conseguirá perder até um quilo de gordura por semana. Quando você estiver nesse tipo de alimentação, perdendo a gordura, a grande ingestão de proteínas ajuda a manter a massa magra, e ainda auxilia na redução da gordura, aumentando o processo termogênico do organismo. Não elimine toda a gordura da dieta. Uma quantidade pequena, de origem natural, como da gema do ovo, da carne vermelha e de óleos vegetais, também causam perda de tecido adiposo.

AERÓBICOS

Atividades aeróbicas também são grandes ferramentas para um bom abdômen. Corridas, caminhadas aceleradas, bicicletas e natação são exercícios excelentes, sem contar o enorme número de equipamentos no interior das academias. Mas a atividade que você escolher não tem importância, desde que você a faça. Sessões diárias, de 20 a 30 minutos, aceleram o metabolismo, fazendo que seu abdômen apareça com mais rapidez ainda. Eu, pessoalmente, prefiro as corridas. E recomendo para quem quer um progresso rápido, e um corpo mais saudável e bem condicionado. Uma prática que me ajudou muito foi usar uma cinta na cintura, e correr vestindo um moleton, casaco e calça comprida, mesmo no calor. Ao acabar a corrida, fazia uma série de 100 abdominais. A redução de gordura na minha cintura acontecia com uma velocidade incrível. Tente, você vai gostar do resultado.

Outra coisa que me ajudou muito foi fazer o vacuum várias vezes por dia. Simplesmente contraia o estomago, expelindo todo o ar, e segure por 15 ou 20 segundos. Esse movimento ainda ajuda a que se tenha controle da musculatura do abdomen.

QUANTOS ATLETAS DO OLYMPIA TEM ESSA CINTURA HOJE ?

Parta para seu treino de abdominais imediatamente. Quando conseguir ver as linhas da musculatura aparecendo, será um sinal de que você está chegando em ótima forma física. Quando der a impressão que dá para colocar o dedo entre as linhas que separam os músculos dessa região, sinal de que sua condição está excelente. E quando estiver vendo as veias subindo pela cintura, então você estará com uma qualidade fantástica.

Por Arnold Schwarzenegger.

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Desta água eu beberei


Dê fim àqueles 3 últimos quilos — os mais chatos de ser eliminados — tomando esse líquido refrescante, do jeito e nas horas certas. Acredite, o efeito emagrecedor já foi testado e comprovado
por Gislene Pereira // Foto: Getty Images/Tom Kelley
copo de água
Temos mais um motivo para você andar com a sua garrafinha a tiracolo: água emagrece mesmo. E a nossa proposta para ajudá-la a cumprir sua cota diária e enxugar uns quilinhos é a seguinte: beba com hora marcada. Isso não quer dizer que você vai colocar o alarme do celular para tocar de hora em hora. Nossa indicação é mais simples e tem o respaldo de um estudo realizado na Universidade Virginia Tech, nos EUA, no qual foi comprovado que beber dois copos de água 30 minutos antes das refeições — café da manhã, almoço e jantar — diminui medidas.
Segundo os estudiosos, além dos benefícios já conhecidos, como hidratar o organismo, eliminar toxinas e ter papel importante na digestão, absorção e transporte de nutrientes, o líquido também é capaz de fazê-la perder peso. A conclusão foi tirada após acompanharem dois grupos de adultos que seguiam uma dieta de baixa ingestão calórica. Após 12 semanas, todas as pessoas emagreceram, mas aquelas que beberam água antes das refeições alcançaram melhores resultados: 7 kg a menos, diante dos 5 perdidos pelos demais. "Constatamos que o consumo de água antes das refeições reduz o número de calorias ingeridas durante a alimentação", afirma a americana Brenda Davy, professora do Departamento de Nutrição Humana, Alimentos e Exercício da Universidade Virginia Tech. Essa redução chegaria a quase 200 calorias por dia. "Com o estômago preenchido pela água, a pessoa sente-se satisfeita antes de ingerir uma grande quantidade de alimentos", completa a nutricionista Cristina Almeida Prado, da Clínica Dr. José Bento de Souza, em São Paulo.
Fome Zero
Beber água antes da comida possui outra finalidade prática para ficar mais fininha: descobrir se o seu vazio interior é causado pela fome ou pela sede. "Tais sensações podem ser confundidas, pois os centros que regulam essas funções no cérebro são próximos", afirma a nutricionista Andrezza Botelho, membro do Centro Brasileiro de Nutrição Clínica Funcional. "Por isso, ao sentir fome, tome um copo de água e aguarde. Se a sensação passar, é sinal de que o problema era a sede; se persistir, então coma", recomenda. É muito melhor do que passar o dia beliscando sem parar.
De Copo em Copo
Dois litros de água. Essa é a quantidade aproximada para ser ingerida ao dia. Contudo, esse valor varia para cada pessoa, conforme alguns fatores como o peso e a prática de atividades físicas. Daniela Jobst, nutricionista e consultora de WH, ensina como fazer esse cálculo. "Para descobrir a ingestão necessária diária, multiplique seu peso por 30 ml [se você pesa 60 quilos: 60 x 30 ml = 1,8 l]", exemplifi ca. Caso pratique exercícios, veja quanto você pesa antes e depois do treino. "A diferença deve ser compensada com o líquido [por exemplo, antes do exercício 60 quilos; depois 59,5 quilos = 0,5 l]", fala. E não se esqueça de hidratar-se também durante a malhação: beba meio copo a cada 15 minutos.
Balança Leve
Para as amantes de água gelada, o efeito emagrecedor é ainda maior, já que o líquido recém-saído da geladeira possui efeito termogênico no organismo. "Ou seja, faz o corpo gastar mais energia para equilibrar as temperaturas do líquido e da parte interna", explica a nutricionista funcional Isabel Jereissati, do Setor de Nutrição do Núcleo Integrado de Atenção à Saúde da Mulher da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro. O mesmo não acontece com a água gaseifi cada. "Ela pode causar desconforto abdominal, gases e distensão do estômago, o que difi culta a digestão dos alimentos", completa.
Sem Sede ao Pote
Mas tome cuidado para não exagerar na dose. O excesso de água no organismo pode causar intoxicação hídrica. "É um quadro semelhante à intoxicação alcoólica, podendo levar a alterações da consciência, nas quais a pessoa age como se estivesse embriagada", diz Andrezza. Para "encher a cara" sem correr riscos, use como limite o cálculo 90 ml x seu peso. Seguindo o exemplo anterior, quem pesa 60 quilos poderia tomar, no máximo, 5,4 litros por dia.
Água, pra que te quero!
A necessidade de ingerir líquidos ao longo do dia (refrigerante, cerveja e drinques não contam, ok?) já é sua velha conhecida. Mas quem nunca terminou o expediente com a garrafi nha quase cheia, deixando claro que não conseguiu cumprir nem metade do que havia planejado pela manhã? Estes hábitos vão ajudá-la a cumprir a tarefa árdua:
- A hidratação deve iniciar logo ao despertar. Mantenha uma moringa ao lado da cama e tome um copo de água ao acordar.
- Consuma água fresca durante todo o dia em pequenas quantidades e devagar, em golinhos. De nada adianta beber 1 litro de uma única vez. Isso sobrecarrega o organismo, que não consegue fazer a absorção correta e eliminará o que foi tomado por meio da urina, levando uma penca de nutrientes junto.
- Deixe uma garrafinha no carro e outra no trabalho. Aliás, cerque-se delas o máximo que puder. Não gosta de água pura? Crie sua versão aromatizada colocando folhas de hortelã e gengibre ou rodelas de laranja ou limão. Ela ganha outro sabor.
- Para as fãs das redes sociais: beba um copo cada vez que alguém retuitar o que você escreveu no Twitter ou um novo amigo pedir autorização no Orkut ou no Facebook.
- Leve uma garrafa de água para o treino para acioná-la entre cada série feita. Policie-se! Se falar mal do chefe ou choramingar pelo ex, vire um copo com água.
- A cada hora trabalhada, levante e reabasteça sua caneca ou garrafa. Dessa forma, você melhora a circulação nas pernas e evita vasinhos e celulite.
- Se pretende devorar uma sobremesa depois do almoço, prefira água ao suco (ou refrigerante) para acompanhar o prato principal.
- A garrafinha de tamanho padrão (cerca de 500 ml) deve ficar vazia em até 2 horas. Tente beber a medida equivalente a três dedos a cada meia hora.
DICA:
Cristina comenta que uma forma prática de descobrir se está tomando a quantidade ideal de água é checando a coloração do seu xixi. "Quando ele estiver bem clarinho, quase incolor, quer dizer que a pessoa está no caminho certo."
Fonte:http://revistawomenshealth.abril.com.br/edicao/025/desta-agua-eu-beberei.shtml

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Perguntas e respostas



Cara, eu pratico musculação, e meus braços não são simétricos. o direito é em torno de 1cm mais ''grosso'' que o esquerdo, e ao meu ver, pode ser paranóia, essa diferença só aumenta. como resolver isso? como ter ambos os braços simétricos, no meu caso, o meu esquerdo ser da mesma espessura do meu direito? se você puder me ajudar, sou muito grato.


A solução para este problema está na quantidade de peso que cada braço consegue levantar. Faça o teste com halteres. O normal é que o braço mais fino consiga levantar menos peso. Se assim for você pode optar por estressar mais o braço mais fino (mais peso) e menos (menos peso) no braço mais grosso. A única forma de equilibrar as medidas é focando trabalhos diferenciados para cada braço.
Esta diferença de medidas pode acontecer pelo uso de barras. Prefira halteres.

A creatina

Alta performance com a Creatina 

A função específica dos suplementos é fornecer a quantidade exata de determinada substância, que dificilmente seria adquirida naturalmente.  



A creatina é um suplemento que deve ser dirigido para os atletas que buscam alta performance em vários desportos, e não só para a musculação. 


A creatina é indicada para os atletas que buscam melhorar a sua performance e que desempenham actividades de alta intensidade e curta duração. O principal motivo da utilização da creatina é que ela ajuda a gerar a energia que os músculos necessitam, principalmente quando acontecem movimentos rápidos e explosivos. 
Por causa das suas características, a creatina deixou de ser um suplemento só utilizado pelos culturistas, saindo das academias de musculação e tornando-se comum em vários desportos.

É o caso do futebol, handebol, vôlei, algumas especialidades do atletismo, entre outros. Mas atenção, os benefícios só serão alcançados se a utilização da creatina for acompanhada de exercícios físicos freqüentes, com cargas adequadas, e uma dieta balanceada. 

Também conte com a supervisão de médicos e nutricionistas para a preparação de um planeamento individualizado.
 Antes de qualquer coisa, é necessário saber o que é a creatina, qual a sua verdadeira finalidade e a utilização no organismo humano. 
Há registos de estudos da creatina no ano de 1835, quando ela foi identificada em um pedaço de carne. Nos anos 30 e 40, o estudo sobre os benefícios da utilização da creatina intensificou-se, mas ficou disponível apenas para a classe médica, não atraindo o interesse de outros sectores na época. Nos Jogos Olímpicos de Barcelona, em 1982, surgiram os primeiros atletas que afirmavam melhorar seu rendimento graças ao uso da creatina. A grande explosão, que resultou na popularização deste suplemento, aconteceu realmente após os Jogos Olímpicos de Atlanta, quando vários atletas citaram o suplemento alimentar como um dos responsáveis pela melhoria das suas marcas. Desde então, a creatina ganhou seu espaço e foi divulgada mundialmente.

O que é a Creatina


A creatina é um catalizador de energia formado pela união de tres aminoácidos: glicina, arginina e metionina.  Resumindo, sua formação ocorre pela união entre a arginina e a glicina no rim, que leva à formação de um outro composto, a glicociamina, que vai para o fígado onde passa por uma reação química (a metilação) formando finalmente a creatina.  Portanto, a creatina pode ser formada pelo próprio organismo ou ser adquirida a partir da ingestão de carnes, ou ainda pela suplementação. 

O único problema é que para cada 1 kg de carne consumido, o organismo extrai apenas 5 g de creatina. A quantidade produzida naturalmente é insuficiente para as necessidades de um atleta. Evidencia-se aqui, a necessidade de suplementação alimentar para os atletas de alta performance. A creatina está diretamente ligada à síntese de ATP. A ATP (adenosina trifosfato) é a unidade básica de energia para todas as células do nosso organismo,portanto muito importante durante as contracções musculares. 

Durante a quebra da ATP para libetração de energia utilizada pelo nosso organismo, ocorre a formação do ADP (adenosina difosfato), que nada mais é que a própria ATP, sem um composto de fosfato. Para a utilização da ATP como fonte de energia é necessário a sua ligação com o composto fosfato, e suas principais fontes para ressíntese de ATP são os carbohidratos e as gorduras, que fazem isto de maneira gradual. É aqui que entra a importância da creatina. No nosso organismo, a creatina está acoplada a um composto fosfato, formando o complexo creatina-fosfato (CP). Sempre que ocorre a queda de ATP, e formar a ADP, a creatina- fosfato está apta a doar rapidamente seu fosfato para a ADP, restabelecendo a síntese de ATP (ADP + P) de forma muito mais rápida, privilegiando aqueles músculos que estão em constante movimento, como os dos atletas profissionais.

Indicações

A creatina é indicada para os atletas que precisam melhorar seu desempenho nos desportos que exigem esforços de potência prolongados e intensos, explosão, velocidade ou força. Por isto, o uso da creatina saiu dos ginasios de musculação e passou a ser indicado para os atletas profissionais que praticam futebol, basquete, vôlei, andebal, remo, atletismo, entre outros. O suplemento proporciona um aumento nas medidas musculares e um aumento no ganho de força. 

Se você não pratica actividades físicas não deve tomar creatina, pois o ganho de peso será devido à retenção de água e o aumento da força será inespressivo.

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

O melhor período para ingerir Proteína


O objetivo primário de um programa de musculação é romper tecido muscular de modo que se possa reconstruir de uma forma fortalecida. Exercício, descanso, nutrição e a utilização de gordura, hidratos de carbono e proteína são variáveis cruciais se o desenvolvimento do tamanho muscular é o nosso objectivo. De facto, são principalmente o descanso e uma nutrição especialmente apropriada que ajudam a reconstruir o tecido muscular danificado, o que permite que um culturista possa suportar cargas de intensidade progressivamente maiores. Culturistas mais sérios chegaram à conclusão que a nutrição, mais do que o treino, é o fator prioritário para o crescimento.

O meio mais eficiente de utilizar as quantidades adequadas de nutrientes para uma utilização otimizada é dividindo a ingestão calórica ao longo de 6 refeições, espaçadas aproximadamente em cada 2,5 a 3 horas. Durante décadas, este método foi a base da maioria dos programas de culturistas mais sérios. Se o teu músculo não cresce, provavelmente o teu consumo de calorias é reduzido ou então estás a comer com pouca freqüência. Se é esse o teu caso, o melhor é continuar a ler este artigo! O melhor período Se deseja maximizar o teu potencial metabólico para o crescimento, reduza o excesso de treino e se previna das lesões. É tempo de aprender algo mais a respeito do melhor período para ingerir proteínas. Este período passa-se após o treino ou antes do descanso, durante o qual uma quantidade específica de proteína pode ser digerida e utilizada mais eficientemente.

O objetivo ou o uso deste período varia dependendo de que período estamos a falar: a proteína é ingerida tanto para prevenir a catabolização da massa muscular seca, como para reconstruir tecido e volumizá-lo. Um dos períodos mais significastes do dia é o que se segue ao treino. Muitos nutricionistas dizem que é imperativo ingerir hidratos de carbono nos primeiros 45 min após cada treino, de modo a estimular uma libertação elevada de insulina (isto é crucial, visto que a insulina vai estabilizar os níveis de açúcar no sangue). Este período poderá ser ainda mais importante do que as autoridades na matéria sugerem, porque pode estabelecer reservas de proteína para o anabolismo, o que induz ao crescimento muscular.

Enquanto que o corpo poderá ser razoavelmente tolerante no que diz respeito à sensibilidade à insulina, não tem contemplações no que diz respeito às necessidades protéicas. Após uma hora e meia de treino, o tecido muscular e os seus componentes aminoácidosforam rompidos e necessitam agora de absorver nutrientes para a reparação e crescimento desses tecidos. Os músculos acabaram de passar por um intenso período de expansão e contração, acompanhados por um elevado fluxo de oxigênio nos tecidos funcionais.

Esse tecido muscular necessita agora de uma imediata assistência nutricional de modo a prevenir síndromas catabólicos e a manter um balanço de reparação. Se você ingerir quantidades apropriadas de proteína ao longo do dia, as possibilidades de ficares bem após um treino serão maiores, assumindo que cada refeição foi feita dentro do seu período de tempo correto. No entanto, se és daqueles culturistas que só ingerem proteína e calorias suficientes para manter a sua massa muscular seca - quando o objetivo é aumentar a massa seca - a deficiência torna-se um ponto crítico e o período pós-treino torna-se uma oportunidade extremamente crucial para a ingestão de proteína. Ingerir proteína antes das 2 horas após o treino - ou mais cedo, se for possível - permite que se estabilize um estado anabólico pela entrega de aminoácidos essenciais e nutrientes aos músculos para reparação de tecidos.

Providenciando proteína deste modo, vai permitir que o corpo se preocupe mais com a performance do que com a "sobrevivência". Este período para a ingestão de proteína nunca pode ser falhado, se o teu objetivo principal é a musculação e o crescimento muscular.

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Wallpaper com Mike Dragna


Para fazer o download basta clicar na imagem com o botão direito e escolher salvar imagem como ...

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Os 5 Exercícios Proibidos Na Musculação


Quando falamos sobre seleção de exercícios, geralmente falamos sobre os exercícios que você deve fazer, mas isto não é o suficiente. Também devemos observar o outro lado igualmente importante da moeda: os exercícios que você não deve fazer.

Pense a respeito disso, você pode estar fazendo todos os exercícios certos, mas se você fizer apenas um que não deveria – porque ele é ineficaz ou inseguro – os seus resultados irão sofrer. Na melhor das hipóteses, um exercício ruim vai destruir a sua capacidade de recuperação.

Na pior das hipóteses, uma seleção ruim de exercícios pode gerar lesões que forçarão você a ficar um tempo longe da academia, e se você não percebeu, caso você não treine você não terá ganhos.

Aqui estão cinco exercícios que você deveria largar como se fosse um hábito ruim para a saude.

1. Desenvolvimento Por Trás da Nuca


Pergunta rápida: Você pularia de cima do telhado da sua casa só para conseguir ativar o máximo de fibras musculares das pernas ? Eu vou assumir que não.

Talvez você conseguisse realmente recrutar mais fibras musculares pulando do telhado, mas isso não faria muita diferença, pois você ficaria mais ocupado com coisas como: a) chorar como uma garotinha, b) chamar a ambulância, e c) procurar onde os seus joelhos foram parar.

Seguindo o mesmo padrão, não há dúvidas que o desenvolvimento por trás da nuca são ótimos para estimular o crescimento dos deltoides. Mas só porque um exercício é bom para um músculo, não quer dizer que ele seja bom para os seus ligamentos.

O principal problema com o desenvolvimento por trás é que ele é um movimento feito com os ombros em uma abdução externa e horizontal máxima. Em outras palavras, você é forçado a fazer o movimento no limite dos ligamentos do ombro.

Fazer o movimento até o limite do ligamento não é nada anormal, porém se torna muito menos seguro quando você é forçado a levar até o limite em toda repetição e série e com uma barra cheia de pesos nas mãos.

Enquanto é verdade de que os ligamentos dos ombros são os ligamentos mais móveis do corpo, ele é também o mais instável. Então, só porque você consegue colocar uma barra atrás da nuca, não quer dizer que você deve fazer movimentos repetitivos, contra uma carga na mesma posição.

É claro que existem pessoas que se dão muito bem com o desenvolvimento por trás da nuca e nunca tiveram problemas. Da mesma forma que existem pessoas que fumam e nunca tiveram um problema de saúde. Em ambos os casos você está apostando e a sorte não está ao seu lado.

2. Remada Em Pé


Você nunca deveria fazer remada em pé. Ponto final.

Assim como no desenvolvimento por trás da nuca, a remada em pé faz um ótimo trabalhado em estimular os músculos mediais do deltoide e a parte superior do trapézio. Infelizmente, este exercício também faz um ótimo trabalho em causar ou agravar a síndrome do impacto no ombro.

A síndrome ocorre quando o tendão do supra-espinal(no ombro)  acaba inflamando devido a pressão contínua contra o acrômio acima dele.

O teste realizado por médicos para descobrir a existência da síndrome do impacto no ombro envolve colocar o ombro em uma posição que justamente coloca tensão sobre o supra-espinal, se o paciente demonstra dor é porque existe alguma inflamação.

O movimento que é usado para testar a síndrome tem o mesmo objetivo que o da remada em pé. Junte os pontos…

Para aqueles que irão fazer a remada em pé de qualquer jeito, pelo menos usem halteres, pois assim é possível aumentar a distância da pegada ao chegar na posição de cima do movimento. Isto é menos danoso às articulações do ombro comparado a remada em pé com barra.

3. Encolhimento Girando Os Ombros


O encolhimento de ombros é para construir massa muscular nos trapézios, certo ? Bem, a função primária dos trapézios é encolher ou elevar os ombros. Então faz sentido pensar que "encolher o ombro" constrói massa no trapézio. Até agora tudo bem, mas vamos dar uma olhada no que acontece quando você roda o ombro no topo do movimento:

Girar os ombros para frente move a linha de força para o lado anterior e longe do trapézio, justamente o contrário do que você quer fazer.

Além do ato de girar os ombros durante o encolhimento não ajudar no exercício, pode ser maléfico. Girar o ombro durante o encolhimento serve apenas para uma coisa: mostrar para todos na academia que você não tem a mínima idéia do que está fazendo.

Se você insiste em girar os ombros durante o encolhimento, pelo menos gire para trás. Dessa forma você pode dizer que o trapézio até está fazendo um pouco mais de trabalho. Não é tão efetivo como fazer o encolhimento corretamente, porém não é totalmente inútil como girar para frente.

4. Abdominais Girando O Tronco


Muitas pessoas preferem fazer os abdominais girando o tronco para atingir o abdômen e os oblíquos ao mesmo tempo, matando dois coelhos com uma cajadada só. Faz sentido, mas existe um problema…

Quando você faz um abdominal – ou um abdominal completo onde o lombar não permanece estável no chão – a vértebra lombar se inclina para frente, o que é chamado de flexão. O problema é que uma flexão espinhal coloca muita pressão sobre os discos intervertebrais.

Mas existe um movimento muito mais perigoso do que a flexão: uma flexão combinada com uma rotação. Infelizmente, é exatamente isso que acontece quando fazemos um abdominal girando o tronco.

Esta flexão com a rotação força o centro das vértebras onde os discos tendem a causar hérnia.

A não ser que você queira uma hérnia, evite girar o tronco nos abdominais ou qualquer flexão espinhal com rotação.

5. Stiff Com As Costas Arqueadas


Como mencionado acima, uma flexão espinhal(arcar a lombar) coloca muito estresse sobre o centro das vértebras dos discos. Em adição a flexão com rotação, ainda existe um outro tipo de estresse que é ainda pior que a flexão sozinha: a flexão com compressão.

Flexão com compressão também pode ser chamada de flexão sobre carga. Por exemplo: fazer o stiff com as costas arqueadas. (Só de pensar em alguém fazendo isso é doloroso).

Uma coisa é curvar as costas para encontrar nos dedos dos pés, outra coisa totalmente diferente e perigosa é quando você adiciona peso nisso. As forças da carga aumentam exponencialmente a tensão colocada sobre os seus pobres discos.

Fazer Stiff com as costas arquedas é pedir para ter hérnias de disco!

E não pense que só porque você já fez isso e não teve hérnias que você nunca terá. Hérnias de disco são causadas por lesões repetitivas e que ocorrem gradualmente com o tempo. Esse é o principal motivo do porque você deve proteger a todo custo a sua lombar, desde o inicio da sua carreira como "marombeiro".

Além do stiff, as pessoas tendem a curvar as costas durante o agachamento, remada curvada e remada sentado. Independente de qual seja o exercício, sempre mantenha as costas retas durante todo o movimento, especialmente quando você está levantando pesos.

Estimule os músculos, mas com segurança!

Lembre-se, um exercício pode ser bom para os seus músculos, mas pode estar danificando os seus ligamentos. Os cinco exercícios acima não têm lugar no seu treino se você pretente ter resultados a longo-prazo.

Fonte: http://emedicine.medscape.com/article/92974-overview
Texto por: Dr. Clay Hyght
Texto traduzido do site T-Nation.com por: Equipe Hipertrofia


Fonte: http://www.hipertrofia.org/blog/2011/01/05/5-exercicios-proibidos-na-musculacao/

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Apostila muito boa sobre Musculação


Apostila de musculação com o seguinte conteúdo:
  • Prescrição de treinamento personalizado em contraresistência. 
  • Aeróbio e flexibilidade.
  • Atendimento diferenciado,
  • Perfil do novo profissional de educação física em academias,
  • Marketing em academias,
  • Captação e retenção de clientes.
Organização do Prof. Amauri Marcello

Para acessar a apostila clique no link.

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Por que é mais fácil engordar que emagrecer.


por_que_e_mais_facil_engordar_que_emagrecer.jpg

A regra para conquistar a boa forma segue um raciocínio matemático elementar: a quantidade de calorias consumida por dia não pode ser maior do que a quantidade de calorias despendida no mesmo período. Dito assim parece fácil. O problema é que a genética conspira para que todos engordem.

Por uma questão de sobrevivência, o corpo humano foi programado para reagir contra a perda de peso. Existem cerca de três milhões de genes e enzimas que trabalham para fazer o organismo engordar. Essa cara cterística genética remonta há 200 mil anos, quando surgiram nossos ancestrais, na savana africana.

Como a alimentação era escassa, só conseguiam sobreviver os indivíduos que digeriam bem carnes gordas e frutas doces, mais calóricas, e cujo mecanismo biológico armazenava as calorias consumidas em excesso em forma de gordura. Acumular gordura foi tão essencial à evolução da espécie que uma pessoa nunca perde as células adiposas que ganhou ao engordar.

Quando uma pessoa consegue perder peso, essas células murcham, mas permanecem à espreita. Caso, após a dieta, a pessoa retorne a maus hábitos alimentares, essas células incham novamente e se multiplicam. Ou seja, em termos de composição corporal não existem ex-gordos e, sim, gordos emagrecidos.

A preguiça de se exercitar também é herança do homem pré-histórico. Antes do surgimento da agricultura, há 10 mil anos, a rotina humana se resumia a correr atrás de comida. Não havia como pedir uma tele-pizza na caverna. Quando havia o que comer o indivíduo se empanturrava. Depois, tinha de fazer repouso para enfrentar os períodos de jejum.

Assim, até hoje, o cérebro interpreta a atividade física como desperdício de energia e responde com uma vontade irresistível de se render ao sofá. Outro tipo de resposta do organismo aos exercícios é a economia de energia, principalmente se a dieta é muito restrita. O cérebro não entende por que a pessoa está comendo tão pouco, então, trabalha para reduzir o gasto de calorias e acumular gordura para garantir a sobrevivência.

Bem, mas nada de usar a evolução humana como desculpa para abandonar a dieta e a academia, ok?

Apesar dos nossos instintos primitivos, já se comprovou que quando a alimentação saudável e a atividade física viram hábitos, o metabolismo se adapta à nova realidade e é possível se tornar magro para sempre.





terça-feira, 11 de janeiro de 2011

PERFIL MISTER OLYMPIA - LEE HANEY

Leehaney

Lee Haney nasceu a 11 de Novembro de 1959 em Spartanburg, na Carolina do Sul. É o atleta profissional da IFBB aposentado com mais vitórias seguidas no Mr. Olympia, são exactamente 8 vitórias, desde 1984 a 1991. Ronnie Coleman também detém a mesma marca mas não conseguio ultrapassá-la, será muito difícil para os novos atletas conseguirem chegar a este nível.

Lee Haney

BIOGRAFIA

Lee Haney foi desde a sua infância um Cristão dedicado, actualmente Lee tem o seu próprio programa de rádio que passa na Trinity Broadcasting Network chamado "TotaLee with Lee Haney", onde convida frequentemente atletas reconhecidos e também eles Cristãos. No seu programa de rádio ensina a importância do crescimento físico e também espiritual, uma das suas frases mais famosas é "Treinar para estimular, não para aniquilar".

  Ele e a sua mulher vivem em Fayette County, GA mais dois filhos que neste momento estão na faculdade. Em Outubro de 2005, Ronnie Coleman conseguio atingir a sua oitava vitória consecutiva no Mr. Olympia, tornando-se o detentor do record ao lado de Lee Haney.
O reinado de Lee Haney foi marcado sobretudo numa era onde o desenvolvimento das costas era visto como o derradeiro objectivo no bodybuilding.
Lee Haney é licenciado pela Southern Methodist University, onde obteve o curso de Psicologia Infantil. Durante a sua passagem pela faculdade também pertenceu à equipa de football americano.

ESTATÍSTICAS

  • Altura: 180 cm.
  • Peso fora de competição: 260 lbs / 118 kg.
  • Peso em competição: 245 lbs / 111 kg.

HISTÓRICO COMPETITIVO

  • 1979 Teen Mr. America
  • 1979 Teen Mr. America Tall, 1st
  • 1982 Junior Nationals Heavyweight & Overall, 1st
  • 1982 Nationals Heavyweight & Overall, 1st
  • 1982 World Amateur Championships Heavyweight, 1st
  • 1983 Grand Prix England, 2nd
  • 1983 Grand Prix Las Vegas, 1st
  • 1983 Grand Prix Sweden, 2nd
  • 1983 Grand Prix Switzerland, 3rd
  • 1983 Night of Champions, 1st
  • 1983 Mr. Olympia, 3rd
  • 1983 World Pro Championships, 3rd
  • 1984 Mr. Olympia, 1st
  • 1985 Mr. Olympia, 1st
  • 1986 Mr. Olympia, 1st
  • 1987 Mr. Olympia, 1st
  • 1987 Grand Prix Germany (II), 1st
  • 1988 Mr. Olympia, 1st
  • 1989 Mr. Olympia, 1st
  • 1990 Mr. Olympia, 1st
  • 1991 Mr. Olympia, 1st