terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Metabolismo, o que é?



Entenda mais sobre o funcionamento do metabolismo


Todos nós sabemos o que acontece quando cai um poste: falta luz, não conseguimos ligar o chuveiro nem assistir televisão - Da mesma forma como a energia elétrica pode mudar muitas coisas em sua vida, o mesmo ocorre com sua dieta alimentar - Fatores externos modificam seu funcionamento interno.

Assim, o que você come - bem como sua freqüência e quantidade - afeta como você se sente e vive. A razão para comer é fornecer combustível para o organismo, a fim de mantê-lo funcionando bem.



Talvez seja por isso, que se torna difícil encontrar alguém que não lembre de um parente, amigo ou conhecido que, apesar de deglutir uma quantidade expressiva de comida se mantém magro, sem problemas com a balança ou com os problemas que o sobrepeso causa.

Isso leva a crer que a tendência para ganhar peso sofre interferência de outras variáveis além da quantidade de comida que ingerimos diariamente. “Primeiramente, precisamos entender como é o funcionamento de um metabolismo normal, que representa as várias reações químicas e biológicas de nossas células, e que resulta em um gasto energético ou calórico, o chamado gasto calórico total”, explica a endocrinologista Ellen Simone Paiva.

O metabolismo de uma pessoa envolve uma complexa rede de hormônios e enzimas que, para além de converter a comida em energia, dita o quão eficiente é essa conversão. É ele que estabelece a que nível queimamos as calorias e o quão depressa ganhamos e perdemos peso. Por isso, que nem todos nós queimamos calorias da mesma forma e com a mesma rapidez.

Mulher queima menos calorias

O metabolismo induz a um gasto de energia ou a um gasto calórico e, teoricamente, quanto mais rápido, maior será seu gasto de energia. Essa “queima” calórica é que mantém nossa vida.

Ela é necessária para manter nossas funções vitais, como respirar, fazer o coração bater, pensar, fazer os rins filtrarem a urina e os milhões de células receberem oxigênio e exercerem suas funções. “O metabolismo é responsável por cerca de 75% do nosso gasto calórico, o restante é consumido em nossas atividades físicas”, afirma a especialista.

Aparentemente, as células que detêm a maior capacidade de queimar calorias são as células musculares. Logo, independentemente de praticar ou não uma atividade física, homens queimam muito mais calorias do que mulheres da mesma idade, pois têm uma massa muscular muito mais desenvolvida.

Essa é a explicação para as queixas das pacientes referentes às suas dificuldades de perder e manter o peso em relação aos seus parceiros, quando os acompanham à mesa e comem e bebem na mesma proporção que eles. Elas podem até achar injusto, mas o organismo feminino tem mesmo uma queima calórica menor.

A idade também influencia o metabolismo, mas por incrível que possa parecer, uma queda no seu funcionamento se deve muito mais à inatividade física do que puramente ao “metabolismo lento”, como muitos pensam.

A fim de entender toda essa questão de gasto calórico, as pessoas precisam começar a se preocupar em entender o seu metabolismo e a maneira pela qual o organismo digere os alimentos para transformá-los em energia.



Hereditariedade

Dá para se perceber as pessoas em dieta alimentar não comem o suficiente, o que na verdade, desacelera o metabolismo.

Essas pessoas entram em uma fase de inanição que faz com que seus corpos parem de queimar calorias ao “pensar” que é necessário preservá-las.

Segundo a especialista, é aqui que entra a questão da importância do exercício, já que a atividade física ajuda a manter a taxa metabólica elevada, dando ao corpo “permissão” para queimar calorias.

Por outro lado, a hereditariedade está inegavelmente relacionada às alterações metabólicas responsáveis pela predisposição à obesidade. As pesquisas do genoma humano vêm identificando alterações genéticas relacionadas à obesidade e ao diabetes.

Assim, alguns genes predispõem ao ganho de peso. Nesses casos, vemos na mesma família várias pessoas com o mesmo problema. Entretanto, conforme Ellen Paiva, a prática clínica tem mostrado que herdamos não somente genes, mas também comportamentos de nossos familiares.

Ela também reconhece que o nosso metabolismo é o mesmo em todos os horários do nosso dia, portanto, também não procede a crença de que à noite, devemos comer menos, porque queimamos menos calorias. A prática de ginástica pela manhã, realmente, aumenta o nosso gasto calórico que se prolonga por todo o dia.

“Quando calculamos o gasto calórico dos pacientes para programarmos uma dieta individualizada, nunca levamos em conta gastos calóricos diferentes, durante os horários do dia”, esclarece a médica. Isso significa que numa dieta balanceada deve haver carboidratos em todas as refeições, inclusive à noite. De acordo com a especialista, o que deve ser evitado é a ingestão excessiva de carboidratos à noite, assim como nas demais refeições do dia.

Os personagens

Apesar de cada um de nós conhecermos vários "magrelos comilões", não os acompanhamos nas 24 horas do dia. Apenas em termos teóricos, esses magros comem na mesma proporção em que gastam calorias, por isso não engordam.

É importante entendermos também que o peso e o tamanho dos pratos de duas pessoas podem confundir a nossa percepção, pois há pratos com conteúdos extremamente calóricos e leves, em contraste com outros mais pesados e menos calóricos.

Também encontramos os 'beliscadores", aqueles que não consideram comida o que beliscam o dia inteiro. Estes classificam seus pratos como ínfimos, o que não deixa de ser verdade, mas o valor calórico que ingerem durante o dia é muito superior ao que gastam.

E finalmente, na nossa galeria de personagens sobre o metabolismo, há os que comem um "prato de estivador", tomam café, almoçam, jantam e não beliscam, deixando intrigados alguns que os observam, invejosos de suas capacidade de comer sem engordar.

A endocrinologista Ellen Paiva garante que a única forma de descobrir o segredo dessas pessoas é observá-las atentamente durante todo o seu dia, só assim, poderemos compreender como o metabolismo delas funciona realmente.

O que influi no metabolismo
Tecido muscular

Quanto mais músculos você tem, maior e mais veloz é o gasto calórico, independente do seu nível de atividade, da sua idade, etc.

Freqüência das refeições

O tempo entre uma refeição e outra é importante para o metabolismo.

Atividade física

Praticar exercícios acelera o metabolismo, ajudando a transformar glicose e gordura em energia.

Alimentação

O excesso de açúcar, especialmente após a refeição, deve ser evitado, uma vez que a digestão fica prejudicada.

Água

O líquido é fundamental para transportar hormônios, vitaminas e minerais, além de facilitar o trânsito intestinal e a eliminação de toxinas.

Sexo

O metabolismo masculino é mais acelerado do que o feminino, pois os homens apresentam maior índice de massa muscular.

Idade

A partir dos 30 anos o metabolismo começa a ficar mais lento, pelo fato das pessoas tornarem-se mais sedentárias.

Temperatura ambiente

Em dias mais frios, o corpo consome mais energia para se manter aquecido.

 por Claudio Junio