sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Yes, coma banana!


Por: Renata Cattaruzz
Não bastassem todos os benefícios que a banana oferece – rica em fibras, ferro, potássio e proteínas, e em triptofano, substância que auxilia no bom humor e no controle da compulsão por doces –, a fruta ainda é superprática de ser consumida.  Não precisa lavar, cortar, descascar com faca, e é fácil de carregar para qualquer lugar – levar para a academia ou para o trabalho, por exemplo. Aqui reunimos seis tipos  para você escolher a que mais combina com seu paladar e turbinar a saúde.
Banana-prata
Ela tem a polpa menos doce que a da banana-nanica e uma textura mais consistente, por isso também é indicada para fritar, pois não se desintegra com o calor. Sua durabilidade é maior se comparada aos outros tipos, e é uma boa opção para os lanches entre as refeições.
1 unidade = 89 calorias, 22,8 g de carboidratos, 1,3 g de proteínas,
0,3 g de gorduras, 370,0 mg de potássio
Banana-da-terra
Típica da Região Norte do país, ela tem a textura mais firme, por isso geralmente é consumida frita, já que não desmancha com o calor, ou mesmo usada como acompanhamento de pratos salgados, como na farofa. Depois de cozida, o sabor é mais adocicado.
1 unidade = 105 calorias, 26,6 g de carboidratos,
2,2 g de proteínas, 0,2 g de gorduras, 376 mg de potássio
Banana-maçã
Este tipo está relacionado ao fator de diminuição do trânsito intestinal, ou seja, não é recomendado para pessoas com problemas de intestino preso. Isso porque ela é rica em amido, que ajuda a dificultar a ida ao banheiro.
1 unidade = 114 calorias,
26,4 g de carboidratos,
1,4 g de proteínas,
0,3 g de gorduras,
123,7 mg de potássio
Banana-nanica
Ao contrário do nome, de pequeno este tipo não tem nada – a fruta é uma das maiores em tamanho, comprida e arcada. Tem polpa bem doce, aroma acentuado e textura macia – por isso é mais sensível, o que a leva a amadurecer mais rápido.
1 unidade = 95 calorias,
22 g de carboidratos, 1,3 g de proteínas, 0,2 g de gorduras, 333,4 mg de potássio
Banana-ouro
De cor amarelada, tem o gosto mais adocicado, com textura consistente, e é a menor de todas as bananas, o que justifica seu formato cilíndrico.
1 unidade = 159 calorias, 36,8 g de carboidratos,
2,4 g de proteínas,
0,2 g de gorduras,
143,9 mg de potássio
BANANA PARA…
… quem malha
A fruta é um alimento rico em carboidratos, que fornecem energia ao organismo, e contém potássio, mineral importante para o bom funcionamento dos músculos. “Na banana, a vitamina B6 é encontrada em boa quantidade e está ligada ao gasto energético, auxiliando a manutenção da velocidade do metabolismo e evitando a perda de massa muscular”, diz a nutricionista Érica de Souza, do hospital Albert Einstein.


… quem tem problema cardíaco
Por ser rica em potássio – mineral que participa da contração muscular – a fruta contribui para o bom funcionamento do coração e para o fluxo sanguíneo, prevenindo doenças cardiovasculares. Segundo Heloisa Guarita, nutricionista da RG Nutri, o alimento ainda pode ajudar no controle da hipertensão arterial repondo o potássio perdido na urina devido ao uso de diuréticos.

… quem deseja parar de fumar
Parece milagre, mas a fruta pode contribuir para acabar com o vício. A banana contém as vitaminas B6 e B12, que ajudam a eliminar os efeitos da nicotina no organismo, reduzindo a ansiedade – que indiretamente ajuda
a diminuir o vício – e promovendo a sensação de bem-estar. Você mais calmo e tranquilo não vai precisar de uma válvula de escape (o cigarro) para compensar a tensão.


… quem está de dieta
Por ser rica em fibras, a inclusão da banana na dieta ajuda a mantê-lo saciado por mais tempo. Além disso, é uma fruta de baixo índice glicêmico, que não apresenta quantidade exagerada de calorias e contém vitamina B6, substância indiretamente ligada ao controle de apetite – ela estimula a síntese de serotonina, o neurotransmissor responsável pelo
bem-estar e redução da ansiedade.

… quem vive sob estresse
“A banana contém triptofano, um nutriente envolvido na produção da serotonina, substância responsável pelo bom humor e por melhorar a atividade cerebral e o sono”, explica a nutricionista Érica de Souza, do hospital Albert Einstein (leia mais na pág. 107). Comer qualquer tipo dessa fruta entre as refeições ainda ajuda a manter os níveis elevados
de açúcar no sangue, combatendo o cansaço.
A banana contém triptofano, nutriente  envolvido na produção de serotonina,  substância que ajuda a melhorar a atividade cerebral, o sono e o bom humor
Se ligue nessa!
Apesar dos diversos benefícios, a banana pode colocá-lo em situações embaraçosas – algumas pessoas manifestam sintomas de indigestão ou produzem gases ao consumir a fruta. Se for o seu caso, a nutricionista Lenycia Neri, da Nutri4Life Consultoria em Nutrição, em São Paulo, aconselha a consumir o alimento mais maduro, quando as fibras causam menos efeito gastrointestinal.
O lanche da seleção de vôlei!
Os jogadores da Seleção Brasileira de Vôlei Masculina consomem diariamente boa quantidade da fruta para encarar os treinos. “Não só a banana, mas frutas em geral, verduras e legumes são carboidratos ricos em vitaminas, minerais e fibras, que são excelentes fornecedores de energia e reguladores do metabolismo, principalmente para atletas de alto rendimento. Os alimentos ricos em potássio como a banana auxiliam a evitar o surgimento de cãibras”, explica José Inácio Salles, preparador físico da Seleção. Sabendo que a fruta ajuda a recuperar o gasto energético perdido durante os treinos, o jogador Dante Amaral consome de quatro a cinco bananas por dia, não só quando está treinando, mas também quando está em casa. “É um hábito que foi adquirido sem nenhum esforço, já que sempre gostei da fruta, mesmo antes de ser um atleta. Mas, claro, depois disso passei a consumir ainda mais por conta da atividade”, diz o ponteiro, de 31 anos, da Seleção. Segundo José Inácio, a quantidade de bananas ingeridas por dia está vinculada à necessidade individual dos jogadores. “Alimentos ricos em carboidratos possuem a função de ampliar o estoque de glicogênio muscular e repor as reservas gastas durante treinos e jogos”, explica.
Sobremesa rápida
Banana assada com canela Se você estiver com vontade de doces, mas controlando a dieta, insira no cardápio uma banana assada com canela. É fácil, rápido e prático de fazer: corte a fruta ao meio no sentido do comprimento. Coloque em um prato, salpique canela em pó e leve ao micro-ondas por um minuto. Consuma quente.
A casca da banana é rica em fibras, que garantem o bom funcionamento do intestino e reduzem os níveis de colesterol do organismo

Vitamina pré e pós-treino
Quando a banana começar a amadurecer demais, corte, coloque em um recipiente e congele. Antes de malhar, retire do freezer e bata no liquidificador com um copo de leite. Ela estará escuras pela ação enzimática, mas os nutrientes são preservados. A vitamina vai dar mais energia para treinar, e a ingestão de proteína (vinda do leite) pré-treino já vai disponibilizando os aminoácidos para recuperação muscular. “Algumas pessoas podem se sentir pesadas com esse shake antes de malhar. Nesse caso, também vale beber depois do exercício, já que o carboidrato e o leite, respectivamente, ajudam a recuperar o glicogênio muscular e favorecem o ganho de massa magra”, explica Lenycia Neri, nutricionista da Nutri4Life Consultoria em Nutrição, em São Paulo.
Pão doce de casca de banana
A casca da banana tem propriedades benéficas à saúde, como a fibra, que, além de proporcionar um bom funcionamento do intestino, ajuda a reduzir os níveis de colesterol do organismo.
Ingredientes
6 bananas com casca
1 xícara (chá) de água
1 xícara (chá) de leite
1 xícara (chá) de açúcar
30 g de fermento fresco
½ xícara (chá) de óleo
1 ovo
½ pitada de sal
½ kg de farinha de trigo
Modo de preparo
Bata as cascas de banana e a água no liquidificador. Acrescente o leite, o óleo, o ovo e o fermento, e bata mais um pouco. Junte a farinha, o sal e o açúcar em uma vasilha e misture com a massa batida no liquidificador. Por último, acrescente à massa as bananas cortadas em rodelas. Em seguida, unte a forma com manteiga e farinha e despeje a massa. Deixe a massa descansando, fora do forno (que já deve estar preaquecido em temperatura média) para crescer, até dobrar de volume.
Purê de banana
É uma excelente escolha de acompanhamento para qualquer refeição. Cai bem, principalmente, com pratos à base de frutos do mar e peixes . O leve sabor adocicado surpreende e traz um toque exótico à culinária, uma opção diferente ao purê tradicional.
Ingredientes
3 bananas-nanicas
2 bananas-prata
Suco de 1 limão
½ colher (sopa) de manteiga sem sal
1 colher (sopa) de cebola picada
1 colher (chá) de gengibre fresco picado bem fino
¼ de xícara (chá) de água
Modo de preparo
Corte as bananas em rodelas e reserve em uma tigela com o suco do limão.
Enquanto isso, coloque a manteiga em uma panela e leve ao fogo baixo. Quando começar a derreter, acrescente a cebola e o gengibre. Refogue por dois minutos ou até que os ingredientes estejam dourados e soltando água. Acrescente as bananas e a água. Tampe e deixe cozinhar por cinco minutos. Depois, desligue o fogo, deixe esfriar um pouco, bata tudo no liquidificador e estará pronto para servir.

terça-feira, 4 de setembro de 2012

Efeitos de bebidas esportivas são questionados em artigos científicos



Por JULIANA VINES

Uma série de artigos publicada na revista científica "British Medical Journal" questiona a necessidade de ingerir bebidas como Gatorade e Powerade durante exercícios físicos. A bomba dividiu especialistas e causou reações na indústria.


Com o título "The Truth About Sports Drinks" (a verdade sobre bebidas esportivas), um dos textos afirma que "a ciência da hidratação" é uma criação da indústria e que as principais pesquisas que embasaram o consumo de isotônicos nas últimas décadas foram pagas pelas próprias fabricantes.


"As pessoas são bombardeadas com mensagens sobre o que deveriam beber durante o exercício. Mas esses dogmas são novos", diz o artigo, escrito pela editora de pesquisas da revista, Deborah Cohen, médica. "A indústria patrocinou cientistas, que aconselharam organizações esportivas, que elaboraram diretrizes [...] e espalharam os perigos da desidratação", continua o texto.
O "British Medical Journal" analisou 170 pesquisas durante quatro meses. "Não são estudos de boa qualidade. Quando a pesquisa é financiada, é preciso estar ciente de que resultados negativos não são publicados", disse Cohen à Folha.
Em resposta, a Associação Americana de Bebidas divulgou um comunicado argumentando que o patrocínio não invalida o mérito científico dos estudos.
Já o Colégio Americano de Medicina do Esporte, que tem diretrizes de hidratação seguidas pelo mundo todo, afirmou que vai analisar melhor as provas científicas no futuro.
Bebidas isotônicas são feitas de água, sais minerais e carboidratos. Criadas na década de 1960, puxam um mercado mundial que só cresce.
O Brasil bebeu 75,4 mil litros desses produtos em 2011: um crescimento de 29% em relação a 2009 e de 9% em relação a 2010, segundo a Associação Brasileira das Indústrias de Refrigerantes e de Bebidas Não Alcoólicas.

SEM DIFERENÇA
Há pouco consenso na "ciência da hidratação". Uma parte dos especialistas diz que as bebidas esportivas são absorvidas mais rapidamente do que a água pelo organismo --graças à fórmula que mescla carboidratos e minerais imitando as concentrações presentes no sangue.
Para outra parte, não há diferença ou é até pior."A absorção demora quase a mesma coisa", diz Mirtes Stancanelli, nutricionista do esporte e pesquisadora da Unicamp. Para Debora Cohen, isso "não faz muita diferença".
Numa coisa todos concordam: o consumo de isotônico é indicado durante a prática esportiva ou depois --não a qualquer hora e a qualquer um. "Não substitui a água", afirma Heloisa Guarita, presidente da Associação Brasileira de Nutrição Esportiva.
A bebida tem a metade das calorias de um refrigerante e quantidades significativas de sódio. Por isso, deve ser evitada por quem tem hipertensão, segundo Arnaldo José Hernandez, chefe do grupo de medicina do esporte do Hospital das Clínicas de SP.
Durante a atividade física, o isotônico pode ser bom se houver perda de minerais por meio do suor ou se for preciso repor carboidratos. Aí é fonte de energia e pode melhorar o desempenho. Mas muitos dizem que, na maioria dos casos, água e alimentação certa dão conta.
"Às vezes é necessário, como em provas de 'iron man' que duram horas", diz Jomar Souza, presidente da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte. Mas, para a academia de todo dia, não. "O consumo é indicado a partir de uma hora de exercício com sudorese intensa."
Para o educador físico João Bouzas Marins, professor da Universidade Federal de Viçosa, a ideia de repor minerais perdidos no suor é exagero. "Consumimos muito sódio na dieta. A probabilidade de dar problema por falta de sódio é mínima."
Mas Marins reconhece que o carboidrato presente na bebida é útil para dar energia a partir de uma hora de exercício. "Em atividades longas existe risco de hipoglicemia."

QUANTO BEBER
A falta de consenso científico atinge também a ingestão de água durante a atividade física.
"Há risco de desidratação, mas também há risco de hiper-hidratação, quando há a diluição exagerada dos minerais do corpo", diz Souza.
Por conta disso, alguns defendem a ingestão do líquido apenas quando se está com sede. "Se não há sede, não há necessidade de beber. Não parece lógico para um sistema testado exaustivamente na natureza?", questiona Luiz Oswaldo Rodrigues, fisiologista do esporte da Universidade Federal de Minas Gerais.
Já os adeptos da hidratação preventiva argumentam que a sede é indício de desidratação, ainda que leve. "Perdemos água o tempo todo e não temos um reservatório. Isso é potencializado no exercício. É importante se hidratar antes da sede", defende Heloisa Guarita.
A recomendação da nutricionista é beber até 250 ml 20 minutos antes da atividade física e, em média, 250 ml a cada 20 minutos de prática.
Já para Turíbio Leite de Barros, fisiologista do exercício da Unifesp, o ideal é ingerir o que é perdido. Isso pode ser calculado se o praticante se pesar antes e depois do exercício. "A taxa de sudorese varia muito de pessoa para pessoa. Se ela perde, em média, um quilo, pode dividir a ingestão de um litro de água durante a prática do exercício."