quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Como é feito o exame antidoping? Ainda o caso Anderson Silva.

Os exames antidoping são feitos para flagrar se o atleta está usando substâncias ilícitas a fim de melhorar seu desempenho. E os testes não se restringem aos períodos de competição, podendo ser realizados a qualquer momento durante os treinos.
O mais usual é que o exame seja feito logo depois das provas. Todos os testes são feitos a partir de amostras de urina. E há basicamente quatro tipos de substâncias proibidas. Elas começam pelos estimulantes, que excitam o sistema nervoso. É o caso das anfetaminas. Mais comuns são os anabolizantes. Usados durante os treinamentos físicos, eles alteraram o metabolismo, fazendo a massa muscular crescer mais do que o normal. Outra categoria proibida é a das substâncias calmantes, que inclui álcool e maconha. O problema é que, em pequenas doses, elas relaxam os nervos. E isso pode dar alguma vantagem em competições como o tiro.
Diuréticos, que eliminam água do organismo, também são vetados. É que eles servem tanto para tirar vestígios de doping como para diminuir o peso de lutadores que tentam competir em categorias de peso abaixo das suas. Além do uso de drogas, enfim, há mais três proibições: injetar sangue, que dá mais fôlego por aumentar o número de glóbulos vermelhos, manipular saquinhos de urina - por motivos óbvios - e o doping genético - estímular órgãos e tecidos com proteínas ou vírus modificados. Isso, na verdade, ainda não foi bem desenvolvido, mas, virtualmente impossível de ser detectado, tem tudo para vingar.
No caso do Comitê Olímpico Internacional, a equipe que coleta a urina pode incluir membros do próprio COI, representantes da federação do atleta e médicos. O sujeito preenche um formulário com o nome das substâncias que teria consumido. E escolhe um frasco vazio para urinar. Pelo menos um dos representante do COI deve olhar o atleta fazendo xixi. Não vale pedir licença ou se esconder enquanto enche o frasco - no mínimo 65 ml. Se o examinado ficar constrangido, pode levar um acompanhante. O frasco é enviado para um laboratório. E o resultado vai para o presidente do Comitê Antidoping do COI. Só ele tem a lista que relaciona o laudo ao atleta. Se der positivo, pede-se uma contraprova. Se o resultado for o mesmo, o atleta é desclassificado.
OS SUSPEITOS
Em geral, em campeonatos mundiais e Jogos Olímpicos, os três primeiros colocados são obrigados a passar pelo controle, bem como alguns competidores escolhidos aleatoriamente. Os "suspeitos" têm a urina ou o sangue coletado em frascos para o exame.
Nos esportes individuais, como o atletismo, os quatro primeiros colocados de cada modalidade são convocados para o exame. Nos coletivos são escolhidos aleatoriamente alguns integrantes das equipes vencedoras. O número de testes sempre aumenta nas provas finais.
MOMENTO DELICADO Para a coleta da urina, não tem jeito: o atleta deve fazer xixi na frente de algum representante da comissão esportiva. Mas, desde os Jogos de Pequim, em 2008, o exame de sangue, mais eficaz, passou a ser mais usado. O material é colhido em dois frascos (prova e contraprova).
PENTE-FINO
No laboratório, busca-se identificar as várias drogas que possam estar presentes no organismo do atleta. A relação de substâncias proibidas é atualizada anualmente pela Agência Mundial Antidoping (Wada, na sigla em inglês). Veja abaixo as cinco principais.
DUAS VEZES CULPADO Se a análise detectar o uso de doping, pede-se o exame da contraprova. Caso o teste dê positivo de novo, o atleta é punido. A pena varia conforme a gravidade do caso, podendo ir da suspensão temporária ao banimento do esporte, como rolou com a nadadora brasileira Rebeca Gusmão.
Pódio dopadão: as substâncias proibidas mais usadas pelos atletas.
Estimulante
Efeito - Excita o sistema nervoso, elevando os batimentos cardíacos e a pressão arterial, mascarando o cansaço, o que dá a sensação de o atleta ter mais gás.
Drogas - Anfetaminas e efedrinas.
Esportes - Basquete, vôlei e futebol.
Quem foi pego - O craque argentino Maradona.
Anabolizante
Efeito - Muda a constituição orgânica, dando mais massa muscular e aumentando a força e a aceleração.
Drogas - Esteroides e nandrolona.
Esportes - Halterofilismo, atletismo e natação.
Quem foi pego - O velocista canadense Ben Johnson
Calmante
Efeito - Relaxa os nervos, acalmando o competidor, o que ajuda em modalidades em que é importante a precisão e a concentração.
Drogas - Formoterol e salbutamol.
Esportes - Tiro ao alvo e saltos ornamentais.
Quem foi pego - O atirador norte-coreano Kim Jong-Su.
Diurético
Efeito - Elimina água do organismo e, com isso, reduz o peso total do atleta num curto espaço de tempo. Também mascara outras substâncias dopantes.
Drogas - Furosemida e clortalidona.
Esportes - Judô, halterofilismo e boxe.
Quem foi pego - O judoca brasileiro João Derly.
Hormônio
Efeito - O mais comum (eritropoietina sintética) eleva o total de hemoglobinas no sangue, dando mais resistência.
Drogas - Eritropoietina (EPO), darbopoietina (dEPO), hematide.
Esportes - Ciclismo e atletismo.
Quem foi pego - O ciclista português Nuno Ribeiro.
Necessidades especiais Assim como os atletas olímpicos, os paralímpicos também precisam se submeter ao controle antidoping Os atletas paraolímpicos também ficam de olho nos exames antidoping. É que, como muitos tomam remédios regularmente por causa de problemas de saúde, eles precisam estar ainda mais atentos para evitar a ingestão de substâncias proibidas. Caso um esportista precise tomar um medicamento proibido, mas indispensável para o seu tratamento, a primeira providência é tentar substituí-lo por uma droga similar permitida. Se for impossível, ele pede uma isenção para uso terapêutico do remédio. "A comissão médica dá o seu parecer após avaliar se a droga não oferece vantagem ao atleta, mas, sim, o traz de uma situação desvantajosa, causada por sua condição de saúde, para um nível neutro", diz o médico Hésojy Gley, coordenador da Comissão Antidoping do Comitê Paraolímpico Brasileiro.
Animais turbinados. 
Não são apenas atletas humanos que se dopam. Confira alguns casos de bichos que competiram "ligadões".
Pombos As corridas de pombo, populares em alguns países europeus, passaram por um escândalo nos anos 90, quando se descobriu que algumas aves recebiam esteroides para ganhar mais força.
Cães Há donos que aplicam estimulantes e anabolizantes em cachorros que competem nas provas de agility, onde deve-se cumprir um percurso cheio de obstáculos no menor tempo possível.
Cavalo O alazão Chupa Chups, do brasileiro Bernardo Alves, foi reprovado na Olimpíada de Pequim, em 2008. O animal testou positivo para a substância capsaicin, usada para aliviar dores.